carregando

Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns segundos...

 

Um Caminho Suave

Para usar as funcionalidades você precisa estar logado(a). Clique aqui para logar
Erro ao processar sua requisição, tente novamente em alguns minutos.
Um Caminho Suave

Livro Ótimo - 2 comentários

  • Leram
    1
  • Vão ler
    0
  • Abandonaram
    0
  • Recomendam
    0

Autor: Maria Cecília Vicente de Azevedo

Editora: Person

Assunto: Romance

Traduzido por: Livro Editado em Português do Brasil

Páginas: 222

Ano de edição: 2004

Peso: 265 g

Avalie e comente
  • lido
  • lendo
  • re-lendo
  • recomendar

 

Ótimo
Marcio Mafra
04/08/2007 às 20:01
Brasília - DF

Maria Cecília, na sua estréia, escreveu uma ótima história. Ficção na primeira pessoa é coisa de escritor grande. A história do livro é muito intensa e muito tocante. A narrativa segue fácil, agradável e a construção do enredo não é complicada. Tem o ritmo de um autêntico diário: dinâmico, forte, direto e descritivo, que em virtude da simplicidade das situações narradas - vez ou outra - introjeta o leitor para alguma das situações que a autora constrói com inteligência, estilo, beleza e graça. A historia da família de Déborah, além de muitas personagens marcantes, é muito numerosa. Tem a mãe Alice,a avó Izaura, o avô Joel, suas irmãs Josete, Dorothy, e Bárbara. Seu irmão Brando, o caçula, Peck gêmeo da Déborah, Humphey o playboy, e Marlon, homossexual. O tio Xande, irmão do pai de Deborah, que morava com eles e ensinava as primeiras letras aos gêmeos. Ela sentava no colo do tio que a bolinava. As lições eram feitas numa velha cartilha chamada Caminho Suave. O mais forte personagem da história é o Nhac, basco , artista, pintor, cozinheiro e bom de cama, nascido no Vale do Roncal, na província de Navarra, Espanha, bem pertinho dos Pirineus. Livro escrito na primeira pessoa, parece autobiográfico, mas quando tem estilo, mesmo de iniciante, fica bom. Claro que num romance com tantas personagens o final é previsível.Mas é bom assim mesmo. Vale a leitura. Ótimo livro.



Ótimo
F. Mafra
07/04/2007 às 20:02
Brasília - DF

A história do livro é interessante, mas previsível. A narrativa da autora, porém, prende a atenção porque é fácil de entender e gostoso de ler. A descrição quer faz dos sentimentos, paisagens, lugares, pessoas, enfim, é o elemento diferencial do livro e faz valer a pena porque nos transportamos facilmente para dentro das situações que ela cria para a história que, aliás, é fictícia, embora nos leve a pensar que ela é o personagem principal.


Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

A historia de Déborah, sua família e Nhac, basco, artista, pintor, cozinheiro e bom de cama, nascido no Vale do Roncal, na província de Navarra, Espanha, bem pertinho dos Pirineus.: a mãe Alice,a avó Izaura, o avô Joel, suas irmãs Josete, Dorothy, e Barbara. Seu irmão Brando, o caçula, Peck gêmeo da Déborah, Humphey o playboy, e Marlon, homossexual. Muitos outros parentes e aderentes entram e saem da história, inclusive o Xande, tio, que morava com eles e ensinava as primeiras letras ao Peck e a Déborah. Ela sentava no colo do tio que a bolinava. As lições eram feitas numa velha cartilha chamada Caminho Suave. O mais importante personagem da história, além da própria Déborah é o Nhac, basco , artista, pintor, cozinheiro e bom de cama, nascido no Vale do Roncal, na província de Navarra, Espanha, bem pertinho dos Pirineus

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Quando lembro de minha infância (e isso acontece pelo menos uma vez ao dia), me vêm uma sensação e uma cena. A sensação, quase ancestral de tão primitiva - e que me persegue desde sempre, é a de não ter menor importância. A cena sou eu, menininha, sentada no colo do Xande, meu tio, no quartinho de passar roupas, que ficava nos fundos de nossa casa, onde ele nos ensinava, a mim e a meu irmão, a lição da escola. Aprendíamos numa cartilha chamada Caminho Suave; como eu sempre acabava primeiro por ser a mais esperta, me sentava no colo do Xande para desenhar, e aquilo me era extremamente prazeroso e angustiante ao mesmo tempo. Havia o calor do seu corpo, sua disponibilidade, e, ao mesmo tempo, aquela mão no meu sexo."

...."meu irmão, na maior parte do tempo, queria ficar comigo e minha mãe nos separava, dizendo que ele iria virar um "mariquinha" se brincasse com menina...."

".....temos de entrada um ixangurro recheado, quer dizer caranguejo recheado com a própria carne, gratinado no forno. Faço como se faz em toda a costa basca, mas o caranguejo de lá tem um sabor diferente.

".....pimientos rellenos, um prato típico de Navarra: pimentões vermelhos e muito picantes, recheados com peixes e frutos do mar - pode-se recheá-los também com carne.....


Nenhuma informação foi cadastrada até o momento.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Comprei este livro, sem nenhuma indicação, durante uma promoção da livraria Submarino, em julho de 2006.


 

Receber nossos informativos

Siga-nos:

Baixe nosso aplicativo

Livronautas
Copyright © 2011-2019
Todos os direitos reservados.