carregando

Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns segundos...

 

Nome Falso

Para usar as funcionalidades você precisa estar logado(a). Clique aqui para logar
Erro ao processar sua requisição, tente novamente em alguns minutos.
Nome Falso

Livro Bom - 1 comentário

  • Leram
    1
  • Vão ler
    0
  • Abandonaram
    0
  • Recomendam
    0

Autor: Ricardo Piglia

Editora: Iluminuras

Assunto: Romance

Traduzido por: Heloisa Jahn

Páginas: 96

Ano de edição: 2002

Peso: 155 g

Avalie e comente
  • lido
  • lendo
  • re-lendo
  • recomendar

 

Bom
Marcio Mafra
15/10/2006 às 09:06
Brasília - DF

História curta, do personagem Kostia, irmão do Roberto. O Roberto era um inventor-industrial não realizado e seu irmão Kostia um alcoólatra. Quando um editor buscou (e encontrou) entre os pertences do Kostia, uma parte dos originais do livro do Roberto, aí.... Bom. Nome falso não é nenhum prêmio Nobel. Nada que mereça o titulo do melhor escritor da atualidade Argentina, mas dá pra ler numa boa.


Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

A histórias de um nome falso, atribuído ao autor de um livro de Roberto Arlt.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Ela também sente algo semelhante. Depois de olhá-lho fixamente, diz num tom indeciso: - Bebo, bebo vinho. O senhor espere um momento, vou pedir. Quanto às frutas, vou dizer para trazerem só duas maçãs e duas peras. Chega? Será suficiente? Agora ela também o chama de senhor, mas naquela maneira de tratá-lo há algo confuso, como uma leve vacilação. Ele quer manter a mente em branco e não pensar, e uma vez sozinho começa a examinar o quarto. Primeiro certifica-se de que a porta fecha bem e fica satisfeito: a porta é trancada a chave. Em seguida aproxima-se da janela, abre-a e olha para fora: alta demais, num terceiro andar, dá para o pátio. Depois acende as duas chaves de luz: quando se apaga a lâmpada que está no teto, a outra, colocada por cima da cama, ilumina com um clarão sangrento, enche a peça de uma claridade avermelhada, como uma névoa. A cama é baixa e muito larga, e ao longo dela, na parede, corre um espelho que duplica o quarto. Tentou pensar no que o espera naquele cubículo, dentro de uma casa de lenocínio, mas seus pensamentos dissolvem-se. Já está há quase quarenta horas sem dormir, e o sono é como um gás envenenado que tolda seu corpo. Ali a polícia não irá procurá-lo. Poderá passar a noite, descansar um pouco, dormir numa cama. Tem dificuldade para pensar com clareza. Para acalmar-se, segura sua browning de oito tiros, inspeciona os pentes. A dureza gelada do metal faz com que se sinta seguro. Tem três caixas de balas. Não vão pegá-lo vivo. Quando trazem o vinho e as frutas e quando finalmente Luba chega, ele fecha a porta.


Nenhuma informação foi cadastrada até o momento.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Ricardo Puglia era um dos convidados-conferencistas da Flip de Parati, em agosto de 2006. Por isso comprei um de seus livros.


 

Receber nossos informativos

Siga-nos:

Baixe nosso aplicativo

Livronautas
Copyright © 2011-2019
Todos os direitos reservados.