carregando

Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns segundos...

 

Al Capone

Para usar as funcionalidades você precisa estar logado(a). Clique aqui para logar
Erro ao processar sua requisição, tente novamente em alguns minutos.
Al Capone

Livro Bom - 1 comentário

  • Leram
    1
  • Vão ler
    1
  • Abandonaram
    0
  • Recomendam
    0

Autor: John Roeburt

Editora: Civilização Brasileira

Assunto: Policial

Traduzido por: Noelini Souza

Páginas: 206

Ano de edição: 1960

Peso: 355 g

Avalie e comente
  • lido
  • lendo
  • re-lendo
  • recomendar

 

Bom
Marcio Mafra
26/09/2004 às 21:45
Brasília - DF

Via de regra, filmes se baseiam em livros. Al Capone é livro baseado num filme. Alfonso Capone, durante a lei seca, na década de 20, era o mais conhecido gangster que vivia do tráfico de bebidas, em Chicago, nos Estados Unidos. Explorava, também o jogo, prostituição e drogas. Assassinato, extorsão e violência eram seus métodos de trabalho. Compra policiais, políticos, fiscais do governo e administra uma organização montada com muito dinheiro e corrupção, tanto que as autoridades só conseguem acusá-lo, em 1931, pelo cometimento de crime fiscal. É processado, preso e condenado. A tradução é fraquinha, o romance não é melhor, porque o leitor sabe, antecipadamente o final da história de Al Capone.


Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

História do bandido Al Capone, famoso gangters ítalo-norteamericano, baseada no filme do mesmo nome"Al Capone", narra sua vida em Chicago, abrangendo o período de 1919 até 1947. Na vida real, Al Capone morreu no dia 25 de janeiro de 1947.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

O alfaiate ajeitou O casaco, alfinetando-o, para que os ombros ficassem largos e elegantes. Afastou-se um pouco e quedou-se a contemplar o seu trabalho num longo espêlho. - Perfeito! - exclamou, dando um beijo na ponta dos dedos. Era um sujeito de cabelos rebeldes, topete na testa e a pele do rosto estragada pelo abuso dos cremes. Capone mirava-se da cabeça aos pés no grande espêlho, ajustando a roupa no corpo, virando-se e revirando-se, num exame cuidadoso à sua anatomia. Corria o ano de 1923, e Capone tornara-se mais nédio e pesado. A Organização dominava o cenário de Chicago. Setecentos homens, quase metade dos quais notórios criminosos, recebiam ordens de Tórrio e Capone. Além do aumento de pêso, os três anos e a riqueza produziram outras importantes mudanças em Capone. Perdeu o ar fanfarrão. Tinha agora a aparência de um homem realizado e bem-sucedido. Sua linguagem melhorou também, graças aos esforços de um professor particular que o ensinara meses a fio. Quase não usava gírias e já alinhava algumas frases gramaticalmente corretas. No entanto, tornara-se mais vaidoso, exigindo barbeiro e alfaiate particulares. Cremes e cosméticos disfarçavam-lhe a cicatriz do rosto. Seus ternos, obedeciam rigorosamente aos ditames da moda. Possuía cento e cinqüenta ternos, gavetas repletas de camisas de sêda,.várias dúzias de sapatos e polainas que rivalizavam em policromia com o arco-íris. O seu monograma era gravado em tôdas as suas roupas, até nos lenços, As fábricas mais importantes da cidade forneciam-lhe tecidos especialmente onfeccionados para êle. As estúpidas maratonas de danças começavam a surgir no cenário americano. Uma das competições chegou a bater o recorde de noventa horas e dez minutos. As primeiras irradiações de ondas-curtas transmitiram notícias de Nova Jérsei para a Inglaterra. Bebidas falsificadas dizimaram quatorze pessoas durante as comemorações do Ano Novo, em Nova Iorque. Um jogador de futebol de nome Lou Gehrig passou-se para os ianques. Emily Post publicou um livro sôbre etiquêta. Bobby Jones ganhou o Campeonato Nacional de Gôlfe. Um oficial de Marinha bateu o recorde de velocidade num monoplano Curtis, perfazendo quarenta e três milhas por hora. Um escritor chamado Sinclair Lewis publicou uma novela intitulada Babbitt. Os cartazes cinematográficos anunciavam Lon Chaney em Corcunda de Notre-Dame, Clara Bow em Navios ao Mar e Douglas Fairbanks em Robin Hood. Capone terminou de provar o casaco. O alfaiate fitou-o timidamente, à espera dos elogios que a roupa merecia. - Suma-se - rosnou Capone, escorraçando-º Recolhendo o material de costura numa caixa, e após fechá-la, o alfaiate enviou um olhar ofendido a Capone, e desapareceu, com um andar bamboleante e característico.


Nenhuma informação foi cadastrada até o momento.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Não há historia sobre este livro


 

Receber nossos informativos

Siga-nos:

Baixe nosso aplicativo

Livronautas
Copyright © 2011-2019
Todos os direitos reservados.