carregando

Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns segundos...

 

Mundo da Lua e Miscelânia

Para usar as funcionalidades você precisa estar logado(a). Clique aqui para logar
Erro ao processar sua requisição, tente novamente em alguns minutos.
Mundo da Lua e Miscelânia

Livro Bom - 1 comentário

  • Leram
    1
  • Vão ler
    0
  • Abandonaram
    0
  • Recomendam
    0

Autor: Monteiro Lobato  

Editora: Brasiliense

Assunto: Contos

Traduzido por: Livro Editado em Português do Brasil

Páginas: 338

Ano de edição: 1951

Peso: 620 g

Avalie e comente
  • lido
  • lendo
  • re-lendo
  • recomendar

 

Bom
Marcio Mafra
13/05/2006 às 10:31
Brasília - DF

Lá pelos anos 1957 ou 1958, os adolescentes de 13 ou 14 anos que liam Monteiro Lobato, além de fazerem uma grande pose de intelectual, se recusavam a ler os livros de "literatura infantil" porque isso era coisa de criança, senão de mariquinhas. Mundo da Lua, longe de ser um diário, é mais um amontoado de observações e frases de efeito que o autor usou, com muito talento, para suas críticas "em linguagem jornalística" da época. Na ocasião talvez tenha sido alguma coisas mais que genial. Lido quarenta ou cinqüenta anos depois, nem dá pra entender direito, visto que não há um enredo concatenado para o entendimento. Miscelânea, é a parte do livro, com o mesmo espírito de "diário" onde ele usa da linguagem intimista, só que em textos mais extensos, numa linguagem pouco mais elaborada - mais para crônica. O foco busca pessoas ou fatos ligados à pessoas, essas naturalmente de seu ciclo de relações interpessoais ou empresariais. Esta parte, chamada de miscelânea, os editores atribuíram aos textos, um viés de despedida. Mero exagero do editor, que enxerga nas entrelinhas fôrma para de fazer outro livro, tipo: "A vida de Monteiro Lobato após a morte".


Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Mundo da Lua foi o nome que Monteiro Lobato deu a um pequeno volume publicado em 1923 e nunca reeditado. Nele reuniu o que achou de mais interessante num velho Diário da mocidade que ia destruir. Essa coletânea de idéias e sensações aparece hoje aumentada de coisas posteriores e muito nos ajuda a compreender alma do autor. Na Segunda Parte reunimos impressões de muito mais tarde, que ele fixou numa vaga tentativa de prosseguir no velho Diário. Não prosseguiu - e foi pena. Na Terceira Parte vemos uma serie de artigos críticos, de adeuses a amigos, das impressões de viagem que recebeu em Mato Grosso e Minas - e vemos também a sua estranha visão da "moeda regressiva", que teve o dom de atravessar as fronteiras do Brasil. Destoante de tudo mais, aparece um escrito com o nome de Pearl Harbour. Foi o ultimo arranco do Diário coisa saída dolorosamente no dia em que o Japão surpreendeu o mundo com a sua insólita agressão a Pearl Harbour. A armadura do humorismo com que Monteiro Lobato sempre se esconde em tudo quanto escreve não se mostra ali. Que saibamos, são essas as paginas em que seu coração se abre totalmente.  (Transcrição da Nota dos Editores)

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

As locuções populares. Sofrem as locuções populares, plebéias, as injunções da moda como tudo mais. Nascem, propagam-se com rapidez espantosa e morrem esquecidas. Uma ou outra vinga sobrevivência e penetra na língua. Vi nascer nestes últimos tempos boa quantidade delas: Ó ferro! - Nunca vi tanto aço! - Talvez te escreva. - Volte amanhã. - 'tá bom, deixe. - Fale-me logo á saída. E durma-se. - Mamãe, olhe a cara dele! - Dinheiro haja senhor barão! - P'ra burro. - A' bessa. Nascem em geral no Rio, afloram o teatro, expandem-se pela imprensa, dão volta ao país inteiro e morrem. O mesmo se dá com as musicas, modinhas e pilherias. Propagam-se como ondas sonoras. A Caraboo foi cantada e assobiada por milhões de pessoas, numa verdadeira séca. Desbancou-a a Canção do Soldado, por sua vez batida pela Cabocla do Caxangá. Daria obra interessantíssima o histórico dessas criações populares, sua evolução, sua função, sua morte. Vivem intensamente e morrem de pedra e cal. A Caraboo, quem a assobia hoje? Quem a tolera? São em geral lindas. criações, vitimas das suas próprias qualidades. Prostituem-se. Viram "coisas atôas", coisas comprometedoras. Os maiores aficionados acabam repudiando-as forçados por injunções da moral. O canta-las torna-se até ato indecente. . ." A avareza. Um Harpagão de 20 anos é absurdo. A avareza cresce com os anos, porque vi tomando no homem os espaços que com O tempo outras formas de egoísmo deixam vazios. A felicidade dos outros dá ao infeliz a impressão de cruel injustiça. Pudesse um cégo monopolizar os olhos da humanidade e ele o faria para os destruir. A quem não mais pode gosar os prazeres que o dinheiro dá, cada moeda subtraída ao giro é um prazer a menos nas mãos dos outros. Os outros quer dizer os sãos, os jovens, os para quem o dinheiro é ainda o meio mais seguro de adquirir felicidade. O tio Grandet era velho; Shylock também. Ha em Camilo um maravilhoso avarento de sessenta anos, João Antunes. De vinte anos nenhum foi posto em cena. Os velhos perdoam tudo menos o roubo. Para o moço o menor dos crimes é o roubo


  • Descrição dos personagens

    Autor: Rede Globo de TV

    Veículo: Rede Globo de Tv 2006

    Fonte:

     A reunião de livros escritos por Monteiro Lobato contando as peripécias de Narizinho, Pedrinho, Dona Benta, tia Anastácia, Emília e o Visconde de Sabugosa, formam sua mais importante e conhecida obra: O Sítio do Pica pau Amarelo. Dona Benta é a vovó de Narizinho e Pedrinho. Ela lê muito e é excelente contadora de histórias. Domina vários idiomas, tem uma grande cultura e sabe de tudo que acontece no mundo. Dona Benta mora no Sítio do Pica pau Amarelo.

    • Pedrinho é um menino de dez anos que mora com a mãe na cidade. Sua mãe chama-se Antonica e é filha da Dona Benta. Ele vai para o Sítio todas as férias. Pedrinho gosta de aventuras, como caçar onça e Saci.
    • O Saci é uma figura popular do nosso folclore. Ele é um negrinho de uma perna só, que usa uma carapuça vermelha e pita um cachimbo. Ele se torna amigo de Pedrinho quando o menino o captura dentro de um redemoinho mas depois lhe devolve a liberdade. Aí então, o Saci mostra a floresta e todos seus habitantes para Pedrinho.
    • A Cuca também é um personagem do folclore brasileiro. Ela é uma bruxa com cara e corpo de jacaré. Malvada, ela vive em sua caverna escura, criando poções mágicas e planejando invadir o Sítio. Quando fica brava, de muito longe ouve-se o seu urro de raiva.
    • Narizinho, a neta de Dona Benta e prima de Pedrinho, tem oito anos e mora no Sítio. Seu nome é Lúcia e, por causa de seu nariz arrebitado, é chamada de Narizinho. É uma menina gentil, carinhosa e inteligente. Foi criada na roça e sabe subir em árvores e pescar. Sua paixão é a boneca de pano Emília.
    • A Emília, no começo, era apenas uma boneca de pano, feita de uma saia velha de Tia Nastácia. Mas, depois de tomar as pílulas falantes do Doutor Caramujo, não parou mais de falar. Cheia de idéias e mandona, lidera a maioria das aventuras das crianças.
    • Tia Nastácia é sábia em matéria de cultura popular, é uma grande contadora de "causos" e acredita numa série de superstições. Ótima cozinheira, seus quitutes são famosos na redondeza. Tia Nastácia também cuida da limpeza da casa e dos animais. Ela vive querendo matar o Rabicó, animal de estimação de Narizinho, pra colocá-lo na panela. Só que Narizinho não deixa..
    • Rabicó é um leitão, guloso e covarde. Ganhou esse nome por causa do rabo curtinho. Está sempre fuçando o lixo atrás de comida, mas morre de medo da Tia Nastácia. Virou Marquês de Rabicó e casou-se com a Emília, por vontade de Narizinho.
    • Tio Barnabé é um "preto velho" que sabe de todos os mistérios do mato. Foi ele quem ensinou Pedrinho a pegar o Saci. Tio Barnabé cuida da Vaca Mocha e das galinhas.
    • Visconde de Sabugosa é um boneco de sabugo de milho feito por Pedrinho. Ele o deixou na biblioteca o que transformou o Visconde em um sábio, que está sempre pesquisando e estudando sobre vários assuntos. O Visconde tem um laboratório, no porão da casa de Dona Benta. Uma de suas invenções é o pó de Pirlimpimpim que leva as crianças do Sítio em muitas viagens.
    • Quindim é um rinoceronte africano, domesticado, que fugiu de um circo. Muito doce e falante, tornou-se o guardião do Sítio, pelo seu tamanho e sua força. Ele sabe muito sobre gramática e outras ciências, guiando as crianças no País da Gramática.
    • O Burro Falante foi salvo pelas crianças das garras de um tigre no País das Fábulas. É educado e fala muito bem. Ele fica no quintal com Quindim, lendo e conversando. Como sempre dá bons conselhos, a Emília deu-lhe o nome de Conselheiro.
Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

"Obras Completas" de Monteiro Lobato, é uma coleção composta de 30 livros, encadernação primorosa, capa dura, na cor verde. Os livros foram adquiridos em 1952 ou 1953, por meu pai, Ari Mafra, quando minha família residia às margens da baia norte, praia de fora, Rua Bocaiúva, 201, Florianópolis, ilha de Santa Catarina. Naquela ocasião meu pai era o Secretário Geral da Caixa Econômica Federal do Estado de Santa Catarina, uma espécie de Superintendente, na hierarquia da época. Frequentemente ele escrevia artigos para o jornal "O Estado". Também era professor titular do Instituto de Educação Dias Velho, onde lecionava Português, no curso Clássico, que corresponde aos três últimos anos, do atual curso médio. Na casa amarela (depois, em 1955 foi pintada de cor-de-rosa) da Rua Bocaiúva, os livros verdes do Monteiro Lobato, ficavam expostos, numa imponente estante, de pau marfim, num dos quartos da frente da casa, também chamado de escritório, onde ficava instalado o aparelho telefônico, número 2996. Ali, sentado a uma mesa, também de pau marfim, meu pai corrigia as provas de seus alunos. Eventualmente o escritório também servia de quarto de para hospedar, por poucos dias, algum parente. Meu pai e meu irmão Mario, já se encontravam em Brasília desde 1959. Eu, Miguel, Ari, Marilena e Vera, juntamente com minha mãe Eli, só viemos para Brasília, no dia 9 de maio de 1960, uma ensolarada segunda feira. Pela manhã embarcamos num Douglas DC-3 da Real Aerovias, com destino a São Paulo e escala em Curitiba. Em Congonhas, no início da tarde, fizemos conexão com outro vôo da Real, um possante Douglas Convair 240, em vôo sem escala, que chegou a Brasília, quase as 18 horas. Toda a "mudança" estava acomodada em 11 malas e 2 sacos de viagem. Um dos poucos pertences que não eram roupas nem objetos de uso pessoal foram os 30 livros da coleção do "Monteiro Lobato". Embora não fosse um mistério, nunca se soube por que motivos os livros vieram com a família. Talvez porque não houvesse para quem deixá-los. Inicialmente moramos numa pequena casa, construída pela FCP Fundação da Casa Popular, na Avenida W-3 Sul, quadra 24, atualmente HIGS 709. Em 1961 fomos morar no Bloco 11, da Super Quadra Sul 413. Nos dois endereços, os livros verdes estavam lá - majestosamente enfileirados - numa prateleira do fundo de corredor, como um marco importante para assinalar a "cultura métrica" da família. Em 1965, Marilena, ao se casar com Jaime Colares, levou consigo os livros do Monteiro Lobato. Eles foram morar na Avenida W 3 Sul, Quadra 40, hoje HIGS 712, numa casa de "fundos". Para decorar a modesta sala, Marilena se utilizou da "cultura métrica" colocando numa estante, entre enfeites decorativos e um aparelho de TV os livros do Monteiro Lobato. O mais importante é que ela guardou e cuidou com muito desvelo e carinho dos livros durante os últimos 41 anos. Em março de 2006, Marilena cedeu a coleção inteira, após saber do meu interesse e da existência da bibliomafrateca. Então a bibliomafrateca passou a ser a depositária das obras completas de Monteiro Lobato. Urupês foi o único livro extraviado. Para substituí-lo adquiri, num sebo, um exemplar, edição de 1959.


 

Receber nossos informativos

Siga-nos:

Baixe nosso aplicativo

Livronautas
Copyright © 2011-2021
Todos os direitos reservados.