carregando

Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns segundos...

 

Clara dos Anjos

Para usar as funcionalidades você precisa estar logado(a). Clique aqui para logar
Erro ao processar sua requisição, tente novamente em alguns minutos.
Clara dos Anjos

Livro Ótimo - 1 comentário

  • Leram
    1
  • Vão ler
    0
  • Abandonaram
    0
  • Recomendam
    2

Autor: Lima Barreto  

Editora: Martin Claret

Assunto: Romance

Traduzido por: Livro Editado em Português do Brasil

Páginas: 157

Ano de edição: 2003

Peso: 125 g

Avalie e comente
  • lido
  • lendo
  • re-lendo
  • recomendar

 

Ótimo
Marcio Mafra
04/08/2007 às 11:45
Brasília - DF

Clara dos Anjos é a personagem principal da história de uma mulata, evidentemente pobre, filha de um carteiro que foi iludida, seduzida e depois desprezada, pelo homem que lhe cantara.Também é personagem do preconceito racial. O autor, embora considerado um clássico do pré modernismo é um mestre da ironia e do sarcasmo, recursos muito presentes ao longo do romance. A história é simples como a simplicidade dos personagens e sua linguagem foge ao preciosismo retórico do início dos anos 1900. Livro bom, ainda que o lirismo e as expressões coloridas da época, não signifiquem o melhor estilo leitura depois de passados 100 anos da criação da história.


Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

A história de Clara, pobre e mulata, que foi seduzida e depois abandonada por Joaquim.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Embora atualmente fosse um simples contínuo de ministério, em que não fazia o serviço respectivo, nem outro qualquer, devido a seu estado de invalidez, de semi-aleijado e semiparalítico do lado esquerdo, tinha, entretanto, pertencido a uma modesta roda de boêmios literatos e poetas, na qual, a par da poesia e de coisas de literatura, se discutia muita política, hábito que lhe ficou. ...

.... A sua roda não tinha ninguém de destaque, mas alguns eram estimáveis. Mesmo alguns de rodas mais cotadas procuravam a dele. Quando narrava episódios dessa parte de sua vida, tinha grande garbo e orgulho em dizer que havia conhecido Paula Nei e se dava com Luís Murat. Não mentia, enquanto não confessasse a todos em que qualidade fizera parte do grupo literário. Os que o conheciam, daquela época, não ocultavam o título com que partilhava a honra de ser membro de um cenáculo poético. Tendo tentado versejar, o seu bom senso e a integridade de seu caráter fizeram-lhe ver logo que não dava para a coisa. Abandonou e cultivou as charadas, os logogrifos, etc. Ficou sendo um hábil charadista e, como tal, figurava quase sempre como redator ou colaborador dos jornais, que os seus companheiros e amigos de boêmia literária, poetas e literatos, improvisavam do pé para a mão, quase sempre sem dinheiro para um terno novo. Envelhecendo e ficando semi-inutilizado, depois de dois ataques de apoplexia, foi obrigado a aceitar aquele humilde lugar de contínuo, para ter com que viver. Os seus méritos e saber, porém, não estavam muito acima do cargo. Aprendera muita coisa de ouvido e, de ouvido, falava de muitas delas....

...“O que era preciso, tanto a ela como às suas iguais, era educar o caráter, revestir-se de vontade, como possuía essa varonil Dona Margarida, para se defender de Cassi e semelhantes, e bater-se contra todos os que se opusessem, por este ou aquele modo, contra a elevação dela, social e moralmente. Nada a fazia inferior às outras, senão o conceito geral e a covardia com que elas o admitiam...”


Nenhuma informação foi cadastrada até o momento.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Lima Barreto é um dos escritores saídos do movimento modernista de 1922, como Graça Aranha, Euclides da Cunha, Augusto dos Anjos e Monteiro Lobato. Comprei o Clara dos Anjos, numa promoção da Submarino, em julho de 2006, para conhecer um pouco mais do estilo do Lima Barreto.


 

Receber nossos informativos

Siga-nos:

Baixe nosso aplicativo

Livronautas
Copyright © 2011-2021
Todos os direitos reservados.