carregando

Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns segundos...

 

Vagamundo

Para usar as funcionalidades você precisa estar logado(a). Clique aqui para logar
Erro ao processar sua requisição, tente novamente em alguns minutos.
Vagamundo

Livro Bom - 1 comentário

  • Leram
    2
  • Vão ler
    1
  • Abandonaram
    0
  • Recomendam
    0

Autor: Eduardo Galeano  

Editora: L&pm

Assunto: Ensaio

Traduzido por: Eric Nepomuceno

Páginas: 172

Ano de edição: 1999

Peso: 120 g

Avalie e comente
  • lido
  • lendo
  • re-lendo
  • recomendar

 

Bom
Marcio Mafra
20/01/2007 às 13:40
Brasília - DF

Em Vagamundo, Galeano não teve o brilho de "De Pernas Pro Ar" (livronautas, registro 080).São pequenos contos, com cara de ensaios. Leitura fácil. A iniciação e O Morrer são muito bons. Noel é o melhor do Vagamundo. Mesmo assim está longe da genialidade do Pernas pro Ar.


Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Cinco "grandes" capítulos de ensaios, quase contos: 1 - Garotos: Segredo no cair da tarde - O Monstro meu amigo - O pequeno rei vira-lata - O desejo e o mundo. 2 - Gamados 3 - Andanças 4 - Bandeiras 5 - Outros contos

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Noel. A chuva tinha nos surpreendido na metade do caminho; tinha se descarregado, raivosa durante dois dias e duas noites. Fazia já algumas horas que o sol tinha voltado, e as crianças andavam ao pé do morro buscando jacaré caído do céu. O sol atacava as lamas das roças e a mata próxima, arrancando nuvens de vapor e aromas vegetais limpos e embriagadores. Nós estávamos esperando que um ruído de motores anunciasse a continuação da viagem, e deixávamos passar o tempo, entre bocejos, sentados de costas contra a frente de madeira do armazém ou deitados sobre sacos de açúcar ou de milho moído. Dos braços de uma mulher, ao meu lado, brotava, contínuo, um gemido débil. Envolvido em trapos, Noel gemia. Tinha febre; um mal tinha entrado pela orelha e tomado a cabeça. Para lá dos campos amarelos de soja, se estendia um vasto espaço de cinzas e tocos de árvores cortadas e carbonizadas. Logo tornariam a se erguer, por trás desses desertos, as espessas colunas de fumaça das fogueiras que abriam caminho em direção ao fundo da mata invicta, onde floresciam, porque era época, as campainhas avermelhadas dos laxos. Esperando, esperando, adormeci. Me despertou, muito depois, a agitação das pessoas que gritavam e erguiam pacotes, sacos e panelas. O caminhão, vermelho de barro seco, tinha chegado. Eu estava estendendo os braços quando escutei, ao meu lado, a voz da mulher: - Me ajude a subir. Olhei para ela, olhei para o menino. - Noel não se queixa mais - disse. Ela inclinou a cabeça suavemente e depois continuou com a vista sem expressão, cravada nos altos arvoredos onde se rompiam as últimas luzes da tarde. Noel tinha a pele transparente, cor de sebo de vela; a mãe já tinha fechado seus olhos. De repente, senti que minhas tripas se retorciam e senti a necessidade cega de dar uma porrada na cara de Deus ou de alguém. - Culpa da chuva - murmurou ela. - A chuva, que fecha os caminhos. Mais que a tristeza, era o medo que apagava sua voz. Qualquer motorista sabe que dá azar atravessar a selva com um morto. Subimos na carroceria. Os contrabandistas, os peões do mato, os camponeses celebravam com cachaça a aparição do caminhão. Alguns cantavam. O caminhão partiu e todos ficaram em silêncio depois dos primeiros trancos. - E agora, por que você continua? Foi a primeira vez que olhou para mim. Parecia assombrada. - Aonde? - Isso leva a gente para Corpus Christi. - Para lá é que eu vou. Vou até Corpus rezar para que chegue o padre. O padre tem que fazer o batismo. Noel não está batizado e eu vou esperar até que chegue o padre com as águas sagradas. A viagem se fez longa. Íamos aos trancos pela picada aberta na selva.. Já era noite fechada e por aquela comarca também vagavam, disfarçadas em bichos espantosos, as almas penadas.


Nenhuma informação foi cadastrada até o momento.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Em julho de 2006 a empresa Submarino fez uma promoção, do tipo "limpa prateleira, vendendo livros à 10 reais. Como isso é preço de sebo, comprei o tanto quanto pude.


 

Receber nossos informativos

Siga-nos:

Baixe nosso aplicativo

Livronautas
Copyright © 2011-2021
Todos os direitos reservados.