carregando

Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns segundos...

 

Fup

Para usar as funcionalidades você precisa estar logado(a). Clique aqui para logar
Erro ao processar sua requisição, tente novamente em alguns minutos.
Fup

Livro Excelente - 1 comentário

  • Leram
    1
  • Vão ler
    0
  • Abandonaram
    0
  • Recomendam
    0

Autor: Jim Dodge  

Editora: José Olympio

Assunto: Romance

Traduzido por: Melany Laterman

Páginas: 96

Ano de edição: 2007

Peso: 100 g

Avalie e comente
  • lido
  • lendo
  • re-lendo
  • recomendar

 

Excelente
Marcio Mafra
10/11/2007 às 18:43
Brasília - DF


Fup é um livro pequeno, história curta, descomplicada, divertida, e de muita sensibilidade. O personagem principal é Fub, uma pata obesa, que vive em torno de Jake, um cara rebelde, malcriado, e beberrão apesar de seus quase cem anos de idade. O Neto de Jake, que ainda era um bebê quando conheceu a pata Fup, pensava - ou tinha esta imagem gravada em sua retina - que a pata fosse um cisne. É um livro breve, denso, para se ler numa pegada, mas de elaboração e concisão surpreendentes. Deve ser relido um mês após a primeira leitura, para se entender bem como uma pata criada como animal doméstico, estranhamente gorda e viciada no uísque da marca "velho sussurro da morte", fabricado pelo próprio Jake. Excelente.



Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

A história - maluca, cult e porra louca - de Miúdo, neto do Jake, e Fup, a pata gorda que não sabia voar.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Em primeiro lugar, porém, após concluir que um pato feliz seria melhor aluno que um pato rancoroso, ele aboliu a dieta de Fup, e até lhe deu um pouco mais que as rações normais, já por si opulentas, a fim de fazer as pazes. Logo recuperou suas boas graças, e Miúdo ficou tremendamente aliviado. Com a afeição e o respeito recobrados, ele planejou as premissas e a mecânica, e então começou por aquilo que a razão lhe dizia ser o início: para se voar, era preciso bater as asas. Assim, todas as tardes, exceto aos domingos, cara a cara na varanda, vovô Jake tentava ensinar Fup a bater as asas. Não era fácil. Ela as estendia como que arejando as axilas e às vezes tentava batê-las numa agitação incoerente, mas não parecia interessada em fazê-lo com continuidade. Ele persistiu. De pé na varanda, descalço, malhando o ar com os braços ossudos, prometia-lhe, a cada batida de asas, os êxtases do vôo; prometia que era melhor do que gozar a noite inteira com uma gostosinha de 16 anos das fazendas do interior de Iowa; melhor que pão francês com manteiga derretida; melhor que o luar banhando os pinheiros prateados e as folhas de baunilha; melhor que uma explosão de botões de flores no âmago do cérebro - o vôo era tudo o que se podia comer, tudo o que se podia querer, uma liberdade imensa e um divertimento enorme.


  • Fup

    Autor: Marçal Aquino

    Veículo:

    Fonte:

    Pela pertinência do texto transcrevo a apresentação do livro Fup, pelo jornalista Marçal Aquino, paulista da cidade de Amparo, escritor conhecido da crítica e que já foi premiado com 5ª Bienal Nestlé de Literatura e Prêmio Jabuti. A apresentação vale um comentário. "...Bem-vindo ao fã-clube de Fup. Fup é um daqueles livros que, em lugar de leitores, conquistam devotos. Uma pequena jóia literária, digna portanto das confrarias que sua leitura gera em todo o mundo, desde sua publicação original, em 1983. Quem primeiro me falou de Fup foi o escritor Roniwal... ter Jatobá, com quem costumo trocar impressões sobre obras que, embora pouco conhecidas ou mesmo ignoradas, merecem ser lidas - de preferência, mais de uma vez. Em geral, são livros de reputação construída mais pelo boca-a-boca da seita fervorosa de seus leitores que por qualquer sanção crítico-acadêmica. Não estão no cânone. E não estão nem aí. Alguns chamam isso de culto Livros escritos com graça, inteligência e feroz originalidade. E também com doses fartas de humor e pitadas daquele tipo de sabedoria poética que só a literatura é capaz. Ainda que pareçam ter como único compromisso um profundo pacto de prazer com o leitor, acabam por comunicar uma espécie de verdade secreta sobre a vida, e nos interessam por isso. Exemplos: Lugar público, de José Agrippino de Paula,Meu cão estúpido, de John Fante, Pescando truta na América, de Richard Brautigan. E, claro, este Fup, de Jim Dodge. Meu amigo Roniwalter falou com entusiasmo do livro. E sintetizou: "É sobre um pato. Ou melhor, uma pata". E Fup é mesmo a história de uma pata obesa e geniosa, sem inclinação alguma para voar. Mas é também uma deliciosa fábula, de moral muito particular, que parte do cotidiano rural de um avô e seu neto órfão para compartilhar uma visão libertária do mundo. Jake, o avô é um velho ermitão, viciado em jogos e no uísque que fabrica, o Velho Sussurro da Morte, uma bebida tão potente quanto suspeita, à qual ele atribui os poderes de um elixir da imortalidade. Desbocado e com especial predileção pelas rusgas, suas tiradas filosóficas estão sempre contaminadas pelos princípios do ideário hippie e por uma adesão incondicional à simplicidade. Jake mantém uma postura contemplativa diante de tudo, até o dia em que, após a morte da filha, decide acolher o neto de três anos e se encarregar de sua educação. Mesmo depois de crescido, quando se converte num indivíduo de 1,92 me 135 quilos, o neto vai conservar o apelido de Miúdo e uma paixão irrefreável pela construção de cercas, atividade que encara como sua razão de ser. Como se buscasse elevá-Ia à condição de ane. É essa estranha mania que vai proporcionar seu encontro com o lendário Cerra-Dente, um porco-do-mato descomunal, cujo passatempo é destruir as cercas, e com Fup, que Miúdo resgata de um buraco enlameado. Fup é adotada por Miúdo e Jake e modifica com naturalidade o dia-a-dia dos dois, enquanto os acompanha em seus afazeres: o avô, nos jogos de pôquer e nos devaneios etílicos; o neto, em sua tentativa de cercar o mundo e em seu duelo com Cerra-Dente. Onívora e rabugenta, Fup é uma pata incapaz de voar, apesar dos desastrados esforços de Jake e Miúdo. Personagens adoráveis, de quem, em poucas páginas, o leitor tem a impressão de ter-se tornado íntimo. Com eles, Jim Dodge criou um relato fascinante e divertido sobre a amizade, a liberdade e as transformações que a vida impõe a todos. Filho de um piloto que lutou na Segunda Guerra, Jim Dodge nasceu em Santa Rosa, na Califórnia, em 1945, e passou a infância e a adolescência em bases militares. Adulto, viveu em comunidades alternativas, estudou inglês, jornalismo e biologia e pós-graduou-se pela Universidade de Iowa. Até o lançamento de Fup, seu primeiro livro, vinha se dedicando à poesia, seu interesse literário inicial, enquanto sobrevivia de ocupações tão diversas quanto erráticas: instalador de carpetes, pastor de ovelhas, professor, jogador profissional. O sucesso de Fup aconteceu de forma gradual, porém avassaladora. Publicado inicialmente por uma pequena editora da Califórnia, o livro foi traduzido para 14 idiomas nas duas décadas seguintes e conquistou uma legião de rns apaixonados. Nessa época, Jim Dodge morou por um ano no México, até que uma hepatite o levou de volta aos EUA. Hoje ele vive num rancho isolado e se dedica a causas ambientais, além de dar aulas de "escrita criativa" na Hurnboldt State University. Depois de Fup, Jim Dodge publicou duas novelas,Not Fade Away (1987) e Stone Junction (1990), e uma coletânea de poemas, Rain on the River (2002). Stone Junction, traduzido no Brasil com o título de O enigma da pedra (lan!5ado no Brasil pela editora José Olympio), fala da jornada de um adolescente rumo à vida adulta, num ambiente de misticismo e magia, e tem admiradores do porte do recluso escritor Thomas Pynchon, que escreveu: "Ler este livro é como estar numa festa interminável, que celebra tudo aquilo que importa". Apesar de bem-recebidas, nenhuma dessas obras alcan!5ou o apre!5° e a fama de Fup, que tornou Jim Dodge um nome cultuado por milhares de leitores em todo o mundo. Historicamente, os escritores parecem privilegiar os cães e os gatos na hora de eleger, no reino animal, companheiros para seus personagens humanos. Para dar voz a uma meditação sobre como a vida pode ser livre de convenções, Jim Dodge quebrou essa regra. E fez uma escolha inusitada, inscrevendo uma pata gorda e incapaz de decolar na galeria dos tipos inesquecíveis da literatura. Fup fala direto ao coração dos leitores. Os leitores de coração rebelde, bem entendido. Não estranhe, portanto, se, logo após a leitura, você sentir vontade de requerer sua inscrição no Fã-Clube de Fup...."

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

A Flip de 2007, começou numa quarta feira de julho, à noite, com um show artístico. No dia seguinte iniciavam-se as "mesas" onde são apresentados os autores convidados, que falam sobre um tema pré-escolhido pela organização do evento. Estas mesas são muito interessantes porque além de se ouvir uma exposição feita pelo próprio autor, a platéia pode fazer qualquer tipo de pergunta - geralmente sobre a obra, sobre um livro ou mesmo sobre a vida profissional ou pessoal do autor - que resulta numa interação muito agradável. Ao término da "mesa" os livros do autor estão disponíveis para compra e também para autógrafos. Quanto mais importante o autor, mais ele aparece "na abertura" da Flip. Jim Dodge e Wil Self, um americano e o outro inglês, eram os convidados da mesa 3, logo no primeiro dia do evento, para falar sobre o tema "Sobre Macacos e Patos". Pelo tema achei que se tratasse de autores marginais ou cult, ao mesmo tempo me pareceu pouco provável que a Flip, fosse bancar tantas despesas para trazer escritores desse tipo para um evento tão grande. Eu nunca tinha ouvido falar sobre nenhum deles. Fiquei impressionado com o Jim Dodge e também com Wil Self. Jim é genial. Achei muito divertida a história de seu primeiro livro, cujo personagem central é uma pata, de nome Fup. Por isso o comprei.


 

Receber nossos informativos

Siga-nos:

Baixe nosso aplicativo

Livronautas
Copyright © 2011-2020
Todos os direitos reservados.