carregando

Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns segundos...

 

Decida Você Como e Quanto Viver

Para usar as funcionalidades você precisa estar logado(a). Clique aqui para logar
Erro ao processar sua requisição, tente novamente em alguns minutos.
Decida Você Como e Quanto Viver

Livro Bom - 1 comentário

  • Leram
    2
  • Vão ler
    2
  • Abandonaram
    0
  • Recomendam
    0

Autor: Renato Maia Guimarães  

Editora: Saúde e Letras

Assunto: Saúde

Traduzido por: Livro Editado em Português do Brasil

Páginas: 247

Ano de edição: 2008

Peso: 360 g

Avalie e comente
  • lido
  • lendo
  • re-lendo
  • recomendar

 

Bom
Marcio Mafra
22/11/2011 às 13:24
Brasília - DF

O autor, além de médico geriatra é também um bom marqueteiro. A internet está repleta de opiniões sobre o seu livro. Mas são opiniões de pessoas apaixonadas pelo tema e, talvez, ávidas por auto ajuda. Neste sentido o livro é bom. Todavia o título que o autor adotou para sua obra não passa de uma bela falácia, pois ninguém decide como e quanto viver. Por outro lado, envelhecer não é bom. Envelhecer é ruim. Envelhecer é chato. Envelhecer é sobretudo tomar conhecimento que a vida está acabando. Inexoravelmente. O autor doura a pílula para concluir o óbvio: é melhor viver bem, para bem envelhecer. Depois é só morrer. Livro fácil de ler, mas fica só no campo das obviedades, ainda que Renato Guimarães tenha estabelecido que 30% da duração da vida advém de fatores genéticos. Fatores históricos, sociais ou sorte são outros 20%. Os 50% restantes não passam de suposições sem qualquer rigor científico e - via de regra - são atribuídos à montanhas de conceitos espúrios, sandices e religiosidades.


Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

As idéias e informações do Dr. Renato Guimarães, especialista em geriatria para que o leitor possa decidir quanto deseja viver e como fazê-lo, discutindo o processo de envelhecimento e os investimentos em saúde.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Existe um Bojador em nossas vidas, assim como existe um novo mundo a ser descoberto, uma vez transposta uma possível barreira emocional. O cabo que muitos temem ultrapassar é o envelhecimento; ficam como os marujos do cais, acreditando em histórias catastróficas e pessimistas, como se além do Bojador (nossos 50 anos) nos esperasse um precipício.
Nem Poliana, nem os boatos dos portos: o principal investimento no capital emocional é otimismo, seguir em frente na viagem, sem medo do naufrágio ou dos perigos. É preciso adaptar-se a novas situações. Também nessa área lembro os navegantes lusitanos que, quando navegando ao sul do Equador, deixaram de ver a estrela do Norte (a grande referência para a navegação), e por isso tiveram que descobrir outra maneira de determinar a latitude. Se o medo e o pessimismo prevalecerem, o Bojador nunca será emocionalmente transposto. Portugueses temerosos de alcançar latitudes mais baixas, de navegar para além do cabo, ficaram explorando madeira na ilha do mesmo nome e terminaram por envolver-se em um incêndio que teria durado 7 anos e destruído a fonte de riqueza imediata.
Seja otimista, cultive o pensamento positivo.Velas ao vento! Não dê ouvido às histórias de marujos. Mário Quintana, ao saber que fora derrotado na eleição para a Academia Brasileira de Letras, esceveu:
Todos estes que aí estão
Atravancando meu caminho,
Eles passarão.
Eu passarinho!


Nenhuma informação foi cadastrada até o momento.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Judite e Marco Aurélio Cerqueira me presentearam “Decida Você Como e Quanto Viver” em outubro de 2009, com a seguinte dedicatória: “Márcio, parabéns, felicidades, muitos anos de vida, a cada dia mais jovem, mais saudável física e mentalmente, é o que lhe desejamos, tudo acrescido de muito amor e paz.”


 

Receber nossos informativos

Siga-nos:

Baixe nosso aplicativo

Livronautas
Copyright © 2011-2021
Todos os direitos reservados.