carregando

Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns segundos...

 

Poemas Reunidos

Para usar as funcionalidades você precisa estar logado(a). Clique aqui para logar
Erro ao processar sua requisição, tente novamente em alguns minutos.
Poemas Reunidos

Livro Ruim - 1 comentário

  • Leram
    2
  • Vão ler
    0
  • Abandonaram
    0
  • Recomendam
    0

Autor: José Mendonça Teles  

Editora: José Olympio

Assunto: Poesia

Traduzido por: Livro Editado em Português do Brasil

Páginas: 307

Ano de edição: 1978

Peso: 410 g

Avalie e comente
  • lido
  • lendo
  • re-lendo
  • recomendar

 

Ruim
Marcio Mafra
11/08/2002 às 18:09
Brasília - DF
O livro do Gilberto - Poemas Reunidos - inicia com a Teoria de Um Procedimento Poético, texto do Emanuel de Moraes. Depois vem o texto do A.G. Ramos Jubé, intitulado Poeta da Linguagem.
Após estas duas grandes introduções ao livro, que juntas somam mais de 30 paginas, começam os poemas reunidos.
Bastante interessante é que Arte de Armar é um poema dedicado ao Drumond de Andrade e ao Alphonsus de Guimarães.
O livro fecha com a seleção de poemas, intitulado Alvorada.
Trata-se de um livro denso, carregado de muita técnica, muito conhecimento e muita da beleza. Coisa de poeta. É livro para iniciados no gênero, embora não seja facil ao leitor descobrir a razão dos poemas serem apresentados através dos anos em que as escreveu. De qualquer forma leitor não iniciado nas artes da poesia, não deverá - cfomo eu - apreciar o livro.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Poesias selecionadas pelo autor e apresentadas pelos anos em que as escreveu.1977 - 1972 - 1967 - 1964 - 1962 - 1961 - 1958 - 1956 e 1955.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

CRISTAL o tempo de viver tem seu cristal intato, limpo de toda névoa e de tudo o que é forma mesmo precária e vã de existir e sonhar. Que relógio de sol lhe marca a intensidade, o íntimo conviver da contínua linguagem? Que dia se abrirá como dourada lâmina no obscuro girassol do amor nas madrugadas? Mesmo que tudo apague ou dilua no pranto a presença da morte, e a noite só convoque a seu largo silêncio inadiável, como gritar, gritar que há sempre um outro renascer, uma esperança além nos desígnios da vida? Que sombra permanece a não ser esta angústia, esta intranqüilidade em que as coisas se deixam conduzir, como um rio à procura de um mar? Que sonho restará senão o desespero de riscar com carvão este breve cristal?


Nenhuma informação foi cadastrada até o momento.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF
Por se tratar de uma figura importante de Goiás, o que se percebe pela nota da editora, suponho - mas apenas suponho - que o livro tenha sido adquirido ou me tenha sido presenteado, numa das centenas de vezes que estive em Goiânia ou Anápolis, entre os anos 1975/1980, quando a construtora onde trabalhei, desenvolvia muitas atividades naquelas cidades. Em Goiás, notadamente em cidades menores, ao se receber visitas de investidores, clientes ou fornecedores é comum que estes presenteiem os executivos ou diretores da empresa, com pequenos mimos, nos seus primeiros contatos.

 

Receber nossos informativos

Siga-nos:

Baixe nosso aplicativo

Livronautas
Copyright © 2011-2021
Todos os direitos reservados.