carregando

Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns segundos...

 

Linhas Tortas

Para usar as funcionalidades você precisa estar logado(a). Clique aqui para logar
Erro ao processar sua requisição, tente novamente em alguns minutos.
Este livro está disponível
para Doações
Clique aqui
para solicitar
Linhas Tortas

Livro Ótimo - 2 comentários

  • Leram
    1
  • Vão ler
    1
  • Abandonaram
    0
  • Recomendam
    2

Autor: Graciliano Ramos  

Editora: Record

Assunto: Crônica

Traduzido por: Livro Editado em Português do Brasil

Páginas: 277

Ano de edição: 1980

Peso: 325 g

Avalie e comente
  • lido
  • lendo
  • re-lendo
  • recomendar

 

Ótimo
Cláudio Maffei
16/03/2019 às 14:48
Porto Feliz - SP
Não avalio como excelente porque tem livros desse autor que são melhores ainda, com por exemplo São Bernardo e Vidas Secas. Mas é um livro envolvente onde prevalece o estilo do Mestre Graça, sua prosa, usando uma metáfora, parece um seio se moldando na correnteza de um pequeno regato, vale a pena ler sem pressa aproveitando cada construção fonética de forma roliça como as formas da Marina.

Ótimo
Marcio Mafra
22/07/2002 às 12:07
Brasília - DF
Linhas Tortas do Graciliano, foi traduzido para 11 idiomas: francês, inglês, italiano, tcheco, polonês, alemão, húngaro, búlgaro, rumeno, finlandês e holandês. Seria o suficiente dizer para os que sabem ler portugues, que não podem deixar de fazê-lo.
É um livro de crônicas. Quase todas ótimas.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

A primeira parte do livro traz as crônicas publicadas em 1915 no Jornal de Alagoas, de Maceió e no Jornal Paraíba do Sul, do Rio de Janeiro. Seguem as crônicas de 1921 publicadas no jornal O Índio, de Palmeiras dos Índios. Graciliano assinava as crônicas com pseudônimos, coisas do jornalismo da época. Na segunda parte, são artigos e crônicas publicados em jornais, abrangendo o período de que vai de 1937 até 1952.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Um amigo em talas. O meu antigo companheiro de pensão Amadeu Amaral Júnior, um homem louro e fornido, tinha costumes singulares que espantavam os outros hóspedes. Para falar com propriedade, aquilo não era exatamente pensão, mas isto não tem importância: com um pouco de esforço podíamos admitir que estávamos numa pensão de gente bem comportada. Bocejávamos em demasia, contávamos as pessoas que subiam ou desciam um morro próximo, dormíamos cedo e recebíamos com regularidade a visita do gerente do estabelecimento, o major Nunes, ótima criatura que deixou o cargo por lhe faltar o espírito do negócio. Amadeu Amaral Júnior vestia-se com sobriedade: usava uma cueca preta e calçava medonhos tamancos barulhentos. Fora isso, o que tinha em cima do corpo era a barba, economicamente desenvolvida, uma barba enorme. Parecia um troglodita. Alimentava-se mal, espichava-se na cama, roncava o dia inteiro e passava as noites acordado, passeando, agitando o soalho, o que provocava a indignação dos outros pensionistas. Quando se cansava, sentava-se a uma grande mesa ao fundo da sala e escrevia o resto da noite. Leu um tratado de psicologia e trocou-o em miúdo, isto é, reduziu-o a artigos, uns quarenta ou cinqüenta, que projetou meter nas revistas e nos jornais e com o produto vestir-se, habitar uma casa diferente daquela e pagar ao barbeiro. Mudamo-nos, separamo-nos, perdemo-nos de vista. Creio que os artigos de psicologia não foram publicados, pois há tempo li este anúncio num semanário: "Intelectual desempregado. Amadeu Amaral Júnior, em estado de desemprego, aceita esmolas, donativos, roupa velha, pão dormido. Também aceita trabalho”. O anúncio não produziu nenhum efeito, é o que meses depois, nos declara Amadeu Amaral Júnior: "Minha situação continua preta. Reitero o apelo às almas bem formadas: dêem de comer a quem tem fome, uma fome atávica, milenária. Dêem-me trabalho." E, catalogando as suas habilidades: "Escrevo poesias, crônicas, contos (policiais, psicológicos, de aventura, de terror, de mistério), novelas, discursos, conferências. Sei inglês, francês, italiano, espanhol e um bocado de alemão. Dêem-me trabalho pelo amor de Deus ou do diabo." De literato brasileiro não conheço página mais sincera e razoável que essa. Ao ler o pedido de roupa velha e pão duro, fiquei meio escandalizado, mas refletindo, confessei publicamente que o meu velho companheiro procedia com acerto. E agora, completamente solidário com ele, admiro a exposição que nos faz das suas aptidões e lamento que não as utilizem. É evidente que Amadeu Amaral Júnior conhece bem o nosso mercado literário e apregoa as mercadorias mais próprias para o consumo: discursos, contos policiais, de aventura, de terror e de mistério. Julgo que vive sem ocupação por não haver falado antes nisso. O meio cento de artigos redigidos naquelas noites de insônia encalhou certamente na redação, preterido pelas novelas de arrepiar cabelos. Indignado, Amadeu Amaral Júnior oferece de novo os seus préstimos ao editor, afirmando que também sabe compor histórias policiais, de aventura, de terror e de mistério, que arrancam lágrimas e se vendem regularmente. A maneira como pede trabalho, pelo amor de Deus ou do diabo, revela que o escritor está impaciente e talvez não escrupulize em pôr a sua pena a serviço de qualquer dessas duas entidades, o que não admira, pois Amadeu é jornalista. Muita gente se espanta com o procedimento desse amigo. Não sei por quê. Os fabricantes anunciam os seus produtos e os sujeitos desempregados costumam, desde que há jornais, dizer neles para que servem. Por que apenas o articulista, precisamente o indivíduo capaz de arrumar umas linhas com decência, deve calar-se e roer chifres? Eu por mim acho que Amadeu Amaral Júnior andou muito bem. Todos os jornalistas necessitados deviam seguir o exemplo dele. O anúncio, pois não. E, em duros casos, a propaganda oral, numa esquina, aos gritos. Exatamente como quem vende pomada para calos.


Nenhuma informação foi cadastrada até o momento.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Não há nenhum fato histórico sobre este livro. Nem faz falta, pois Graciliano é a própria história.


 

Receber nossos informativos

Siga-nos:

Baixe nosso aplicativo

Livronautas
Copyright © 2011-2021
Todos os direitos reservados.