carregando

Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns segundos...

 

Enciclopédia Bancária Brasileira - Volume 1

Para usar as funcionalidades você precisa estar logado(a). Clique aqui para logar
Erro ao processar sua requisição, tente novamente em alguns minutos.
Enciclopédia Bancária Brasileira - Volume 1

Livro Bom - 1 comentário

  • Leram
    1
  • Vão ler
    0
  • Abandonaram
    0
  • Recomendam
    0

Autor: João Alfaro Sotto  

Editora: Pedagógica

Assunto: Enciclopédia

Traduzido por: Livro Editado em Português do Brasil

Páginas: 217

Ano de edição: 1965

Peso: 400 g

Avalie e comente
  • lido
  • lendo
  • re-lendo
  • recomendar

 

Bom
Marcio Mafra
30/08/2002 às 17:42
Brasília - DF

Até 1964, os serviços bancários brasileiros eram regulamentados e fiscalizados pelo Banco do Brasil, através da sua Sumoc - Superintendência da Moeda e do Crédito.

Após o golpe militar de 1964, foi criado o Banco Central e somente a partir desta data as leis e regulamentos passaram a ser mais claras e mais do domínio público. Enciclopédia Bancária Brasileira foi a primeira publicação do gênero feita no país, em caráter comercial, para leitura de qualquer interessado. Evidentemente que pela precariedade editorial, não foi uma obra de sucesso.


Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

A história do Sistema Bancário Brasileiro e dos Bancos Comerciais, pouco antes da criação do Banco Central do Brasil.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

No Brasil, a orientação monetária e de crédito é formulada e posta em execução pelas entidades cuja estrutura e modo de financiamento, delineamos a seguir: Banco do Brasil S/A Superintendência da Moeda e do Crédito Carteira de Redescontos, e Caixa de Mobilização Bancária Banco do Brasil No Banco do Brasil S/A se centraliza a execução da política econômico-financeira do govêrno. Por seu intermédio se tornam efetivas as diretrizes traçadas pelas autoridades, para a moeda, o crédito, o câmbio e o comércio exterior, ao mesmo tempo que êle próprio atua diretamente no mercado de dinheiro, recebendo depósitos, fazendo adiantamentos às entidades públicas e emprestando à produção e ao comércio. Sua gama de atividades se estende desde aquelas de natureza oficial até às típicas dos bancos particulares. Juridicamente, o Banco é uma sociedade anônima, em que o Poder Público detém a maioria das ações, no caso 55,7%. Sua diretoria se compõe de oito membros. O Presidente e os Diretores das Carteiras de Câmbio, de Redescontos e de Comércio Exterior, são nomeados pelo Presidente da República; os outros quatro Diretores, das Carteiras de Crédito Geral e de Crédito Agrícola e Industrial, são eleitos pela assembléia dos acionistas com o voto decisivo do govêrno. No plano horizontal, a magnitude da atuação do banco se expressa por suas 350 agências que vão desde os territórios setentrionais até os últimos limites do sul e penetrando nos mais longínquos rincões do oeste. Além da rêde interna, mantém ainda duas filiais no exterior, uma em Montevidéu e outra em Assunção. No plano vertical, a medida da importância do estabelecimento, no panorama econômico-financeiro do Brasil, está no número e complexidade de suas atribuições. Segundo as operações e serviços que executa, com o govêrno ou por conta própria, o Banco se divide em dois grandes ramos: oficial e privado. No primeiro grupo se incluem parte das atribuições da Carteira de Crédito Geral, das Carteiras de Câmbio, de Redescontos e de Comércio Exterior, e ainda da Caixa de Mobilização Bancária, que é um organismo público, anexo ao Banco. Em resumo, consistem as operações do ramo oficial em: a) adiantamentos de receita e outros financiamentos ao Govêrno Federal; b) empréstimos a governos estaduais e municipais; c) arrecadação da receita federal e cobrança direta de certos tributos; d) compra e venda de produtos por conta da Comissão de Financiamento da Produção do Ministério da Fazenda; e) financiamentos com finalidade de defesa de mercados e preços de produtos, inclusive por conta da Comissão de Financiamento da Produção; f) operações de câmbio, por ordem, conta e risco do Tesouro Nacional; g) fiscalização e contrôle dessas operações, quando realizadas por outros bancos; h) redesconto de títulos; i) empréstimos a bancos e casas bancárias; j) contrôle do comércio exterior, inclusive de preços das mercadorias exportadas e importadas. Além dêsses encargos, o Banco é também o agente executor da Superintendência da Moeda e do Crédito, custeando-lhe tôdas as despesas e fornecendo-lhe instalações e pessoal. Através de sua organização e de seu conjunto de filiais são postas em prática as normas e diretrizes baixadas pela Superintendência da Moeda e do Crédito, custeando-lhe tôdas as despesas e fornecendo-lhe instalações e pessoal. No setor privado, podemos ainda dividi-lo em banco comercial, rural e industrial. A assistência financeira do Banco do Brasil se estende, desse modo, a todos os tipos de atividades econômicas, à lavoura, a partir do plantio até o escoamento do produto; à pecuária, na formação de pastagens, na criação, na engorda, nas invernadas e, finalmente, na industrialização da carne, inclusive frigorificação; à indústria, nos financiamentos para compra de máquinas e equipamentos e para aquisição de matérias-primas; e, ao comércio, no movimento geral das riquezas produzidas.


Nenhuma informação foi cadastrada até o momento.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Quando trabalhava no Banco Inco, na metade dos anos 60, procurei muito uma publicação que me fizesse entender o sistema bancário. Esta enciclopédia foi a única matéria que encontrei.Não consegui saber exatamente o ano da edição, muito menos o ordenamento legal que regulava as ações bancárias.


 

Receber nossos informativos

Siga-nos:

Baixe nosso aplicativo

Livronautas
Copyright © 2011-2021
Todos os direitos reservados.