carregando

Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns segundos...

 

Expedição Kon - Tiki

Para usar as funcionalidades você precisa estar logado(a). Clique aqui para logar
Erro ao processar sua requisição, tente novamente em alguns minutos.
Expedição Kon - Tiki

Livro Bom - 2 comentários

  • Leram
    1
  • Vão ler
    0
  • Abandonaram
    0
  • Recomendam
    0

Autor: Thor Heyerdahl,  

Editora: Não Consta Editora

Assunto: Viagens

Traduzido por: Não Consta Tradutor

Páginas: 196

Ano de edição:

Peso: 515 g

Avalie e comente
  • lido
  • lendo
  • re-lendo
  • recomendar

 


Ótimo
Fred Monteiro Filho
28/09/2002 às 21:14
Brasília - DF

Quando o Marcio falou sobre o livro lembrei das revistas de náutica que lia quando adolescente, as quais sempre citavam esse livro como referência em histórias de navegação. Fiquei com ele na cabeça e resolvi descobrir os outros dados, até como desculpa para pedi-lo emprestado, junto com Dívida de Honra do Tom Clancy, antes de devolver o Mad Maria que está comigo há 3 meses.


Bom
Marcio Mafra
28/09/2002 às 20:54
Brasília - DF

Expedição Kontiki é a história de uma grande maluquice. Uma viagem de quase oito mil quilômetros, a bordo de uma jurássica e precária balsa,copia fiel de uma embarcação dos tempos pré-históricos.

Construída com troncos de madeira colhidos no Equador, uma tripulação de seis homens partiu de Callao, no Peru, em 28 de abril de 1947 e aportou na ilha de Raroia, na Indonésia, 101 dias depois. A viagem foi um sucesso e buscava comprovar que as ilhas da Polinésia estavam ao alcance deste tipo de embarcação Pré-Histórica e que as ilhas do Pacífico poderiam ter sido povoadas a partir da América do Sul. O documentário sobre a viagem ganhou um Oscar em 1951 e virou um filme.

Como livro não é lá essas coisas. Não é uma Brastemp. Talvez uma Consul. Mas como aventura, como viagem, merece aplauso.


Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

História de uma "expedição", uma grande viagem por mais de 7 mil quilômetros, a bordo de uma precária balsa ,copia fiel de uma embarcação dos tempos pré-históricos. A expedição sai do Peru e vai até a Indonésia.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Como hóspede de naturais do Pacífico, muitas vêzes comi lula; tem um gôsto misto de lagosta e borracha. Mas, a bordo da Kon-Tiki, as lulas vinham em último lugar na nossa lista de pratos. Se as recebíamos de mão beijada no convés, trocávamo-las por qualquer outra coisa. Fazíamos a troca atirando à água um anzol com a lula nêle e tornando a puxá-lo para dentro com um grande peixe a debater-se na ponta. Até o atum e o bonito gostavam de lulas novas, e êles eram iguaria que vinha no primeiro lugar da nossa lista. Mas, vogando sôbre a superfície do mar, não eram só conhecidos nossos que encontrávamos. O nosso diário contém apontamentos dêste tipo: 11/5. Hoje um enorme animal marinho surdiu duas vêzes à tona, ao lado da jangada, enquanto ceávamos, sentados na beira da mesma. Fêz terrível barulho na água e desapareceu. Não temos idéia do que fôsse. 6/6. Herman viu um grosso peixe de côr escura, com corpo largo e branco, cauda delgada e aguilhões. Ele pulou várias vêzes fora da água do lado de estibordo. 16/6. Curioso peixe foi avistado a bombordo, quase à proa. Comprimento: 1,80 m; largura máxima: 30 centímetros; focinho comprido, pardo e fino, grande barbatana dorsal perto da cabeça e uma menor no meio das costas. pesada barbatana caudal falciforme. Mantinha-se perto da superfície e nadava às vêzes retorcendo o corpo como uma enguia. Mergulhou quando eu e Herman saímos no botezinho de borracha com um arpão portátil. Tornou a subir mais tarde, mas mergulhou e desapareceu. No dia seguinte: Erik estava sentado na ponta do mastro, às 12 horas, quando viu trinta ou quarenta peixes compridos, finos e pardos, da mesma espécie que o de ontem. Vinham com grande velocidade do lado esquerdo da embarcação e desapareceram à ré, como grande sombra escura e chata no mar. 18/6. Knut observou um animal ofióide, fino, de sessenta a noventa centímetros, que ora se punha têso ora se achatava na água, abaixo da superfície, e que mergulhou retorcendo-se como uma serpente


Nenhuma informação foi cadastrada até o momento.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Desde o seu registro, este era um livro desconhecido, sem informações sobre o autor, sobre o assunto e de como veio parar na bibliomafrateca. Somente quando o Fred Monteiro Filho esteve percorrendo a bibliomafrateca foi que conseguimos algumas indicações sobre o mesmo.


 

Receber nossos informativos

Siga-nos:

Baixe nosso aplicativo

Livronautas
Copyright © 2011-2021
Todos os direitos reservados.