carregando

Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns segundos...

 

Com Palmos Medida

Para usar as funcionalidades você precisa estar logado(a). Clique aqui para logar
Erro ao processar sua requisição, tente novamente em alguns minutos.
Com Palmos Medida

Livro Excelente - 1 comentário

  • Leram
    1
  • Vão ler
    0
  • Abandonaram
    0
  • Recomendam
    0

Autor: Flavio Aguiar  

Editora: Fundação Perseu Abramo

Assunto: História

Traduzido por: Livro Editado em Português do Brasil

Páginas: 415

Ano de edição: 1999

Peso: 975 g

Avalie e comente
  • lido
  • lendo
  • re-lendo
  • recomendar

 

Excelente
Marcio Mafra
16/11/2003 às 16:01
Brasília - DF


Coletânea normalmente é a mais pura enganação, feita apenas para ganhar dinheiro, sem nenhum compromisso com a qualidade ou ainda com os direitos autorais. Bela surpresa, entretanto, é Com Palmos Medida. Surpresa pela qualidade dos textos e dos autores selecionados. São mais de 60 textos de diferentes autores, organizada pelo Flávio Aguiar, que é professor de literatura brasileira. Trabalho e conflito da propriedade da terra é o cerne do livro. Somente um grande conhecedor de literatura poderia extrair do texto de tantos autores as relações de trabalho referidas à terra. Na sucessão dos tempos conta-se a história de homens espoliados, privados da terra e oprimidos pela prepotência, pelo poder, pela política, pelos governos e pelo velho e bom dinheiro. O organizador escolheu para título de sua obra, um pedaço do verso de João Cabral de Melo Neto: ....Esta cova em que estás, com palmos medida, .... O verso inicial dá dimensão ao livro. A sua temática tangencia a história brasileira e espelha a ocupação da terra desde a invasão dos europeus, em 1500 até os dias da covarde tomada do poder, pelos militares em 1964. Pela sua beleza e dimensão humana o livro foi classificado como de história do Brasil, e não apenas, como do gênero "literatura brasileira". Excelente em qualquer classificação ou gênero.



Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

História da terra no Brasil, em sete períodos: Colonial; século das luzes; consolidação do império e suas crises; primeiros tempos da república; os modernistas; o pós-guerra e a ditadura militar; o declínio.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Tomar Um Rumo.

Por Raquel de Queiroz.

Ô meu boi! Ô lá, meu boi, ê!... Meu boi manso! Ô ê! Ê... Ê... Ê... Encostado ao mourão da porteira de paus corridos, o vaqueiro das Aroeiras aboiava dolorosamente, vendo o gado sair, um a um, do curral. A junta de bois mansos passou devagarinho. O velho touro da fazenda saiu, arrogante. Garrotes magros, de grandes barrigas, empurravam as vacas de cria, atropelando-se. Até que a derradeira rês. A Flor do Pasto, fechando a marcha, também transpôs a porteira e passou junto de Chico Bento que lhe afagou com a mão a velha anca rosilha, num gesto de carinho e despedida. Da janela da cozinha, as mulheres assistiam à cena. Choravam silenciosamente, enxugando os olhos vermelhos na beira dos casacos ou no rebordo das mangas. Saída a última rês, Chico Bento bateu os paus na porteira e foi caminhando, atrás do lento caminhar do gado, que marchava à toa, parando às vezes, e pondo no pasto seco os olhos tristes, como numa agudeza de desesperança. Algumas reses, sem ir mais longe, começavam a babujar a poeira do panasco que ainda palhetava o chão nas clareiras da caatinga. Outras, mais tenazes, seguiam cabisbaixas, na mesma marcha pensativa, a cauda abanando lentamente as ancas descarnadas. Chico Bento parou. Alongou os olhos pelo horizonte cinzento. O pasto, as várzeas, a caatinga, o marmeleiral esquelético, era tudo de um cinzento de borralho. O próprio leito das lagoas vidrara-se em torrões de lama ressequida, cortada aqui e além por alguma pacavira defunta que retorcia as folhas empapeladas. Depois olhou um garotinho magro que, bem pertinho, mastigava sem ânimo uma vergôntea estorricada. E ao dar as costas, rumo a casa, de cabeça curvada como sob o peso do chapéu de couro, sentindo nos olhos secos pela poeira e pelo sol uma frescura desacostumada e um penoso arquejar no peito largo, murmurou desoladamente: - Ô sorte, meu Deus! Comer cinza até cair morto de fome! A velha casa de taipa negrejava ao solo telhado de jirau. Na latada, coberta de folhas secas, o cachorro cochilava ao calor do mormaço. Chico Bento entrou, no mesmo passo lento, a modo que curvado sob a cruz de remendos que ressaltava vivamente, como um agouro, nas costas desbotadas da velha blusa de mescla. Foi direito a um caritó, ao canto da sala da frente, e tirou de sob uma lamparina, cuja luz enegrecera a parede com uma projeção comprida de fumaça, uma carta dobrada. E como quem vai reler uma sentença que executou, para se livrar da responsabilidade e do remorso, ele penosamente mais uma vez decifrou a letra do administrador, sobrinho de dona Maroca: "Minha tia resolveu que não chovendo até o dia de São José você abra as porteiras e solte o gado. É melhor sofrer logo o prejuízo do que andar gastando dinheiro à toa em rama e caroço, pra não ter resultado. Você pode tomar um rumo ou, se quiser, fique nas Aroeiras, mas sem serviço na fazenda. Sem mais, do compadre amigo..." Longamente ficou o vaqueiro olhando aquelas letras que exprimiam tanta desgraça. Depois dobrou o papel, tornou a pô-lo no lugar, puxando o braço vivamente como se se libertasse, livrando-se do temor supersticioso que lhe travava as mãos, porque uma carta daquelas lhe parecia coisa amaldiçoada. Lá fora, um menino fazia o cachorro ganir, cutucando-o com uma varinha. E gritava entre risadas: - Diabo ruim! Pisca! Limpa-Trilho! Pisca! O cachorro pulou. E menino e cão saíram correndo pelo terreiro varrido, levantando redemoinhos de poeira. Chico Bento, deixando que explodisse na brutalidade do berro a opressão que o angustiava desde manhãzinha, assomou à janela, congesto, a mão enfurecida cortando o ar: - Limpa-Trilho! Josias! Pra dentro, seus sem-vergonha! Quando Vicente foi chegando em casa, de volta do Logradouro, a família toda cercava uma ovelha de lã avermelhada pela poeira e eriçada de garranchinhos e folhas secas, que estirada no chão, toda entanguida, tremia, com as pernas duras e os olhos vidrados: - Salsa, não foi? Dona Idalina levantou o corpo curvado, gesticulando com o vidro de arnica: - Mas, menino, por que você não faz a criação pastar fora do pátio? Não sabe que lá só tem é salsa? Esta bichinha desde de manhã deve estar assim, junto do riacho. E só agora foi que o compadre João achou e trouxe... A marrã se esticava mais, querendo morrer, com os olhos sanguinolentos girando, esbugalhados. Vicente olhava, de braços cruzados, vendo a pobrezinha morrer sem resistência, só naquela aflição, naquela agonia de quem quer lurar e não pode. Um momento, e a marrã inteiriçou-se mais, procurando erguer a cabeça num esforço penoso, mas depois a abateu pesadamente no ladrilho. Alice, a filha mais nova da casa, que se ajoelhara no chão, gritou: - Morreu! Vicente afastou-se e chamou o João Marreca, que de longe a cavalo na cerca do curral, assistia à cena: - Compadre João, leve para o curral de lá, e tire o couro. Alice correu para o irmão e agarrou-lhe o braço, pedindo: - Depois você manda curtir pra mim, não manda, Cente? A bichinha tão bonitinha, tão lanzuda! Dá pra fazer um tapete, ou uma manta de sela! Vicente riu-se, deu-lhe um tapa leve no rosto: - Que manta! Quem já viu se fazer manta de couro de ovelha!? No poente avermelhado, um vulto preto se desenhou. Depois, o cavalo e o cavaleiro foram se destacando na sombra escura que avançava. Ao chouro duro do cavalo, o cavaleiro subia e descia na sela. Desengonçadamente, numa indiferença de macaco pensativo que se agacha num encontro de galhos e ali fica deixando que o vento o empurre e sacuda à vontade. Era o Chico Bento. O cavalo parou debaixo do pau-branco sem que fazia as vezes de sombra. O dono apeou, com a mesma indolência desajeitada, tirou o cabresto de baixo da capa da sela e amarrou o animal no tronco. Agora, ao Chico Bento, como único recurso, só restava arribar.. Sem legume, sem serviço, sem meios de nenhuma espécie, não havia de ficar morrendo de fome, enquanto a seca durasse. Depois, o mundo é grande e no Amazonas sempre há borracha.... Alta noite, na camarinha fechada que uma lamparina moribunda alumiava mal, combinou com a mulher o plano de partida. Ela ouvia chorando, enxugando na varanda encarnada da rede, os olhos cegos de lágrimas. Chico Bento, na confiança do seu sonho, procurou animá-la, contando-lhe os mil casos de retirantes enriquecidos no Norte. A voz lenta e cansada vibrava, erguia-se, parecia outra, abarcando projetos e ambições. E a imaginação esperançosa aplanava as estradas difíceis, esquecia saudades, fome e angústias, penetrava na sombra verde do Amazonas, vencia a natureza bruta, dominava as feras e as visagens, fazia dele rico e vencedor. Cordulina ouvia, e abria o coração àquela esperança; mas correndo os olhos pelas paredes de taipa, pelo canto onde na redinha remendada o filho pequeno dormia, novamente sentiu um aperto de saudade, e lastimou-se: - Mas, Chico, eu tenho tanta pena da minha barraquinha! Onde é que a gente vai viver, por esse mundão de meu Deus? A voz dolente do vaqueiro novamente se ergueu em consolações e promessas: - Em todo pé de pau há um galho mode a gente armar a tipóia... E com umas noites assim limpas até dá vontade de se dormir no tempo... Se chovesse, quer de noite, quer de dia, tinha carecido se ganhar o mundo atrás de um gancho? Cordulina baixava a cabeça. Chico Bento continuou a falar. O animal trocado com Vicente chegava de manhãzinha. Iria nele até o Quixadá, ver se arranjava as passagens de graça que o governo estava dando. Recebendo o dinheiro do Zacarias da Feira, se desfazendo da burra e matando as criaçõezinhas que restavam, para comerem em caminho, que é que faltava? Nem trem, nem comida, nem dinheiro... Cordulina levantou-se para balançar o menino que acordou chorando. Era madrugada. Passarinhos desafinados, no pé de turco espinhento do terreiro, cantavam espaçadamente. A barra do dia foi avermelhando o céu. Os golinhas continuaram a cantar com mais força. A mulher enfiou a saia e o casaco e foi cuidar no café. Chico Bento ficou só. Tinha-se deixado estar na rede, sentado, as mãos pendentes, descansando os pulsos nos joelhos, o pensamento vagando numa confusa visão de boa ventura e fortuna. Pouco a pouco, porém, com a luz do dia que entrava pelas frinchas da camarinha, a névoa otimista foi-se adelgaçando, e se foi sumindo a onda aquecedora de entusiasmo; e do projeto ambicioso só lhe ficou, triste e aguda, a melancolia do desterro próximo. Sonolenta, ainda, a meninada se levantava, esfregando os olhos, espreguiçando-se em bocejos rasgados, em longas distensões que lhes salientavam o relevo das costelas. O mais velho saiu logo para o curral e, passando pela porta da camarinha, gritou: - Papai! Já vou levar o gado do homem! Chico Bento meteu os pés, estremunhado como quem acorda: - Ah, sim! Tá na hora... A manhã era fria, quase nevoenta. O meninote abriu a porteira e tangeu as reses, que saíram devagarinho. Levantou o chapéu e a mão, tomando a bênção. O pai mastigou um "Deus te acompanhe" e ficou vendo-o ir-se, assoviando, ligeiro, pelo trilho pedregoso. A burra da troca não era bem um babau velho, como Chico Bento vinha dizendo em caminho, na tarde do negócio. Era nova, coiceira, e ainda carnuda. O menino vinha montado em osso, quase na garupa, num galope baixo e sacudido. Chico Bento recebeu-a, examinou-lhe as manchas do pêlo, para ver se era sinal ou pisadura mal sarada. Bateu-lhe no lombo e o animal encolheu-se. Retificou o nó do cabresto, e, voltando-se para o menino, já quase dentro de casa: - Venha tomar seu café e depois sele a burra, que eu careço de ir no Quixadá. Mas foi em vão que Chico Bento contou ao homem das passagens a sua necessidade de se transportar a Fortaleza com a família. Só ele, a mulher, a cunhada e cinco filhos pequenos. O homem não atendia. - Não é possível. Só se você esperar um mês. Todas as passagens que eu tenho ordem de dar já estão cedidas. Por que não vai por terra? - Mas meu senhor, veja que ir por terra, com esse magote de meninos, é uma morte! O homem sacudiu os ombros: - Que morte! Agora é que retirante tem esses luxos... No 77 não teve trem para nenhum. É você dar um jeito, que, passagens, não pode ser... Chico Bento foi saindo. Na porta, o homem ainda o consolou: - Pois se quiser esperar, talvez se arranje mais tarde. Imagine que tive de ceder cinqüenta passagens ao Matias Paroara, que anda agenciando rapazes solteiros para o Acre! Na loja do Zacarias, enquanto matava o bicho, o vaqueiro desabafou a raiva: - Desgraçado! Quando acaba, andam espalhando que o governo ajuda os pobres... Não ajuda nem a morrer! O Zacarias segredou: - Ajudar, o governo ajuda. O preposto é que é um ratuíno... Anda vendendo as passagens a quem der mais... Os olhos do vaqueiro luziram: - Por isso é que ele me disse que tinha cedido cinqüenta passagens ao Matias Paroara!.. . - Boca de ceder! Cedeu, mas foi mão pra lá, mão pra cá... O Paroara me disse que pouco faltou pro custo da tarifa... Quase não deu interesse... Chico Bento cuspiu com o ardor do mata-bicho: - Cambada ladrona! Cordulina remendava uns panos, quando o vaqueiro chegou. Pelo jeito dele. Conheceu logo que o negócio tinha ido mal. Furioso, cuspindo, descompunha a burra enquanto tirava os arreios: - Diaba do chomo duro como o cão! Pior que o alazão velho da fazenda! A mulher levantou-se, afastando um menino que lhe repuxava as abas do casaco, pedindo mama. Gritou para a irmã, que estava lá na cozinha: - Ô Mocinha! Vê se tu dás um pirão de peixe a este menino que anda em tempo de me comer os peitos! Depois, indo para o marido: - Como se foi, Chico? Trouxe o dinheiro e as passagens? - Que passagens! Tem de ir tudo é por terra, feito animal! Nesta desgraça quem é que arranja nada! Deus só nasceu pros ricos! Cordulina viu pelo bafo do marido e pela fúria das apóstrofes, tão desacostumadas no seu natural sossegado, que ele tinha bebido demais. E interpelou-o: - Mas, Chico, pra que é que você toma, quando vai no Quixadá? Toda vez que vem de lá é nesse jeito! - Besteira, mulher!... Tomei nada! Matei o bicho! A vontade que eu tinha era estar mesmo bebinho, pra me esquecer de tudo quanto é desgraça!...


Nenhuma informação foi cadastrada até o momento.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Comprei o livro por se tratar de "história" da terra, vista através da literatura, pelo discurso de importantíssimos autores, entre eles: Afonso Arinos, Carlos Drummond, Castro Alves, D. Pedro Casaldáglia, Érico Veríssimo, Euclides da Cunha, Darcy Ribeiro, João Ubaldo Ribeiro, José Lins do Rego, Pero Vaz de Caminha e muitos outros.


 

Receber nossos informativos

Siga-nos:

Baixe nosso aplicativo

Livronautas
Copyright © 2011-2020
Todos os direitos reservados.