carregando

Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns segundos...

 

O Milagre

Para usar as funcionalidades você precisa estar logado(a). Clique aqui para logar
Erro ao processar sua requisição, tente novamente em alguns minutos.
O Milagre

Livro Ruim - 1 comentário

  • Leram
    1
  • Vão ler
    0
  • Abandonaram
    0
  • Recomendam
    0

Autor: Irving Wallace  

Editora: Record

Assunto: Romance

Traduzido por: A B Pinheiro de Lemos

Páginas: 401

Ano de edição: 1984

Peso: 255 g

Avalie e comente
  • lido
  • lendo
  • re-lendo
  • recomendar

 

Ruim
Marcio Mafra
25/09/2004 às 16:19
Brasília - DF

O milagre consiste no anúncio que o Vaticano faz para a imprensa, a respeito do último segredo revelado pela Virgem Maria, em sua aparição a vidente Bernadette, em Lourdes, em 1858. Segundo estava escrito no diário de Bernadette, a virgem iria reaparecer, no mesmo local, para realizar uma cura milagrosa. A repercussão é imediata no mundo ocidental e algumas pessoas imaginam que suas vidas dependem dessa nova aparição. Os ateus ignoram o assunto. Romance para "consumo imediato", tipo "Mac Donald" sem preocupação com coisa nenhuma. Quando acaba a leitura, acaba o livro, a história, o personagem, e deveria acabar o autor. É um livro pobre


Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

A história passada em Lourdes, França, de crimes, intrigas internacionais e dogmas de fé, como os segredos que a Virgem revelou à Bernadette Soubirous, em 1858

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Ao longo do dia. Gisele Dupree conduziu duas excursões por Lourdes como Lima sonâmbula. Sua mente estava na distante Nova York. Tentando imaginar o progresso ou ausência de progresso de seu fiel amigo Roy Zimborg. A mente flutuava às vezes de volta a Lourdes. Para algum ponto da cidade, onde sua presa, seu Dr. Jekyll e Mr. Hvde. Se Dr. Talley e Sr. Tikhanov, estava inocentemente (mas - secretamente) se dedicando aos rituais de rejuvenescimento. Quando a segunda excursão terminou e esperava na agência pelo começo da terceira. Gisele começou a exibir os sinais de uma tremenda enxaqueca. Nenhuma Rachei ou Bernhardt poderia igualar seu histrionismo. Finalmente. Sabendo que havia uma guia substituta disponível. Da suplicou que a dispensassem do resto do trabalho, insistindo que a dor por trás da testa era insuportável, precisava tomar um remédio e ir para a cama. Assim que foi dispensada, ela saiu e pegou o primeiro táxi vazio que encontrou seguindo direto para o apartamento de Dominique, além do domínio. Em segurança na sala de estar, com bastante tempo antes do telefonema internacional crucial, a enxaqueca simulada felizmente desapareceu. Ficou sentada ao lado do telefone, torcendo para que tocasse logo de uma vez. E não tocou no momento combinado. Que chegou e passou. Com o telefone em silêncio. Quase meia..hora depois, ela começou a sofrer uma dor de cabeça real, em decorrência da tensão e das esperanças desvanecidas. De repente, como um toque de clarim, o telefone tocou. Automaticamente, Gisele levantou-se cambaleante para atender, lembrou-se de que o telefone se encontrava ao seu lado, tomou a sentar-se e tirou o fone do gancho. Como se fosse através de um túnel de vento, ouviu o querido Roy Zimborg falar, nitidamente, da terra distante dos céus espaçosos e dos campos de ouro. - Gisele? Aqui é Roy. Está me ouvindo? - Alto e forte - Gisele quase gritou do espaço exterior. - Lamento ter-me atrasado, mas... - Não tem importância, Roy. Apenas me diga se descobriu alguma coisa. - Eu me esforcei ao máximo, Gisele, mas receio que ficará desapontada. O coração de Gisele afundou para o estômago. Ela não queria ouvir, mas murmurou: - Conte tudo. . - Telefonei para os meus amigos professores em Colúmbia. Pedi que me ligassem de volta. E até aproveitei uma saída mais cedo para o almoço e fui até a escola, a fim de investigar pessoalmente. Como eu disse antes, lamento muito desapontá-la. O tal sujeito em Lourdes que lhe disse ser o Professor Samuel Talley, no departamento de línguas da Universidade de Colúmbia... Ele está mentindo. Detesto dar a má notícia, mas ele tenta simplesmente enganá-la... Gisele olhou para o telefone como se fosse o diamante Kohinoor que lhe fora presenteado na manhã de Natal. Por um momento, não foi capaz de assumir tanta riqueza. Queria beijar Roy pelo Kohinoor, mas seria muito demorado e difícil explicar a verdade. Portanto, ela tratou de manter o controle, a voz dando a impressão de que disfarçava o desapontamento, quando na verdade escondia uma exultação intensa. Interrompeu as palavras de consolo de Roy para dizer: - Quer dizer que não existe nenhum Professor Talley na Universidade de Colúmbia? - Não há ninguém no corpo docente com esse nome. Não existe nenhum Talley na equipe de Colúmbia. Não há nenhum professor com esse nome, nunca houve. O homem que você conheceu, com quem está envolvida, simplesmente tenta enganá-la. - Mas que miserável! - murmurou Gisele, bastante realista e ambígua. - Sinto muito... A voz distante de Zimborg era suave, tentando outra vez confortá-la. - Não se preocupe, Roy - disse ela, recuperando-se. - Vou sobreviver... E vou sobreviver para agradecer a você pelo que fez, pessoalmente, da maneira apropriada. - Eu gostaria que tudo saísse direito; - Você fez a sua parte e estou grata. E um amor e mal posso esperar o momento de revê-lo. Escreverei para avisar quando irei para Nova York. . - Espero que seja o mais breve possível Gisele. - Prometo que, de alguma forma, será mesmo em breve, Roy. Depois que desligou, Gisele percebeu que sorria como uma idiota e que seu coração subira do estômago para o seu devido lugar, e mais feliz. Oh, Deus, que coisa maravilhosa! Não havia mais incerteza. Não existia nenhum Talley. Havia apenas Tikhanov. Havia Tikhanov ali em Lourdes e inteiramente à sua mercê. Agora teria de desmascará-lo.


Nenhuma informação foi cadastrada até o momento.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Não consta qualquer menção sobre a história deste livro.


 

Receber nossos informativos

Siga-nos:

Baixe nosso aplicativo

Livronautas
Copyright © 2011-2021
Todos os direitos reservados.