carregando

Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns segundos...

 

O Amor do Soldado

Para usar as funcionalidades você precisa estar logado(a). Clique aqui para logar
Erro ao processar sua requisição, tente novamente em alguns minutos.
O Amor do Soldado

Livro Bom - 1 comentário

  • Leram
    1
  • Vão ler
    1
  • Abandonaram
    0
  • Recomendam
    1

Autor: Jorge Amado  

Editora: Martins

Assunto: Teatro

Traduzido por: Livro Editado em Português do Brasil

Páginas: 225

Ano de edição: 1961

Peso: 455 g

Avalie e comente
  • lido
  • lendo
  • re-lendo
  • recomendar

 

Bom
Marcio Mafra
23/09/2004 às 11:32
Brasília - DF

A peça O Amor do Soldado seria protagonizada pelo poeta baiano Castro Alves. A peça conta o amor dele pela atriz portuguesa Eugênia Câmara, desde o início do namoro, que durou quatro anos, até o rompimento final em 1870. Ele tinha-lhe dedicado o poema Espumas Flutuantes. A história começa em 1866, no Recife, onde os amantes se conheceram e retrata os conflitos de um autor apaixonado e dividido entre sua amada e a causa abolicionista. Jorge Amado é o mestre "maximus maximorum" do bahianês, dos ritos africanos, da liturgia mística dos filhos de gandhi com a mãe menininha de gantois, cantando e lavando as escadarias do Senhor do Bom Fim, da beleza das cablocas e das negras, da sensualidade rasa das mulheres dos pescadores, da leveza de Iemanjá. É mito e mágico do romance dos anos 50 e 60. Então fica a pergunta: Será que a Bibi Ferreira deixou de encenar a peça só porque havia desfeito a sua companhia de teatro? Como toda peça teatral é de difícil leitura pelos não iniciados nas artes do palco. Mediano.


Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Única peça de teatro de autoria de Jorge Amado, escrita em 1944, atendendo a encomenda da atriz Bibi Ferreira. A peça não chegou a ser encenada porque a companhia teatral foi desfeita.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

V Ato. Sala de estar de Eugênia Câmara, no Recife, à noite. Em cena: Castro Alves e Eugênia. Estão os dois sentados e ele termina a narração do comício. Castro Alves: …e então o comício pôde prosseguir até o fim. A polícia não teve coragem de voltar. Eugênia: És maravilhoso, querido! És um homem feliz porque sabes lutar ardentemente por aquilo que sonhas, pelo teu ideal. Sabes lutar pela liberdade… Castro Alves: É necessário lutar, Eugênia. A liberdade não é um bem que se receba como um favor. É preciso conquistá-la e a sua conquista custa muitas vezes a própria vida… Eugênia: São belos os teus sonhos… A abolição, a República, a democracia… Castro Alves: Mas não basta sonhar, Eugênia. É necessário lutar para que esses sonhos, que são de milhões e milhões pelo mundo afora, se transformem em realidade. Eugênia: Li teu último poema… Castro Alves: O que eu estava escrevendo ontem? Ainda não lhe dei os últimos retoques, por isso não o havia mostrado ainda. Eugênia: Jamais o esquecerei… O que escreveste sobre Byron pode-se aplicar a ti mesmo com absoluta verdade… Castro Alves: A mim? Eugênia: Ouve: Olhai, Signora… além dessas cortinas, O que vedes? - Eu vejo a imensidade!… E eu vejo… a Grécia… e sobre a plaga errante, Uma virgem chorando… - É vossa amante?… - Tu disseste-o, condessa!… É a liberdade!!... Eis aí, Castro Alves, a tua melhor confissão. Só tens um amor, um único verdadeiro, É a liberdade. Não pensavas em Byron quando escreveste este poema. Era em ti mesmo que pensavas, querido


Nenhuma informação foi cadastrada até o momento.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF
Em 1961, aos 17 anos eu trabalhava no Banco Industria e Comercio de Santa Catarina, Banco Inco, na agência da Avenida W-3 Sul, Quadra 507, Bloco B. Naquela ocasião as editoras, mantinham serviço de venda domiciliar, através de "vendedores de livros". Eram profissionais bem treinados e insistentes. De um deles, comprei as obras de Eça de Queiroz, Pe. Antônio Vieira, Jorge Amado, Machado de Assis, entre outros. De Jorge Amado eram os seguintes livros: 1) O País do Carnaval - Cacau - Suor 2) Jubiabá 3) Mar Morto 4) Capitães da Areia 5) ABC de Castro Alves 6) Terras do Sem Fim 7) São Jorge dos Ilhéus 8) Bahia de Todos os Santos 9) O Amor do Soldado 10) Seara Vermelha 11) Os Subterrâneos da Liberdade, em 3 volumes 12) Gabriela, Cravo e Canela e 13) Os velhos Marinheiros. Decorridos 43 anos, apenas três deles desapareceram: Capitães da Areia, Bahia de Todos os Santos e Ásperos Tempos. Foram devidamente substituídos, mercê dos bons preços e serviços dos sebos abrigados no site estantevirtual.com.br.
 

 

Receber nossos informativos

Siga-nos:

Baixe nosso aplicativo

Livronautas
Copyright © 2011-2020
Todos os direitos reservados.