carregando

Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns segundos...

 

Predadores

Para usar as funcionalidades você precisa estar logado(a). Clique aqui para logar
Erro ao processar sua requisição, tente novamente em alguns minutos.
Predadores

Livro Bom - 1 comentário

  • Leram
    1
  • Vão ler
    0
  • Abandonaram
    0
  • Recomendam
    0

Autor: Pepetela  

Editora: Lingua Geral

Assunto: Romance

Traduzido por: Livro Editado em Português do Brasil

Páginas: 545

Ano de edição: 2008

Peso: 540 g

Avalie e comente
  • lido
  • lendo
  • re-lendo
  • recomendar

 

Bom
Marcio Mafra
01/11/2008 às 12:23
Brasília - DF

Predadores, é um ótimo título adotado para o livro pelo autor Pepetela. Ele conta uma história ficcional, mas que retrata de forma - até simpática - a dura realidade da sociedade que surgiu em Angola, no pós guerra: os predadores. Eram cidadãos que se apoderaram do que sobrou. A nova burguesia, os novos-ricos como o personagem José Caposso, trocavam até os seus nomes para enriquecer, mesmo que predatóriamente. Assim ele se torna Vladimiro Caposso, o burguês que se formou a partir da independência de seu país. Ele transita pelo sistema agrário, comércio, industria e pela política de seu país. Ao longo da leitura depara-se com a inevitável corrupção que vai grassando em todas as escalas da sociedade, o que acaba por evidenciar um profundo desencanto, ao invés de orgulhar a nação angolana. Predadores não é uma obra-prima, mas tem um final surpreendentemente humano.


Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

A história de José Caposso, de origem humilde, que logo após o término da guerra civil, virou Wladimiro Caposso para ter acesso na escala social de Angola. Capossso inventou até um passado, conquistou respeito e admiração, utilizando-se de qualquer meio lícito ou ilícito para atingir seus objetivos de riqueza e prosperidade.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Mas não acabou nada, houve discussões intermináveis. Foi preciso vir mesmo sô Germano, chamado a todas as pressas pela ansiosa mãe, para vir apaziguar o casal e puxar o carapau para as brasas de Nacib. O comerciante, já então velho, mas teimoso em subir e descer constantemente as veredas do Catambor, muitas vezes só para admirar a bunda de alguma mulher, comentando para os amigos, compadre, aquela bunda fala, é uma bunda de fazer mesmo discurso, fez então ouvir a sua voz com sotaque ilhéu em defesa dos sonhos do afilhado. - Caramba, ora porra, compadre, quanto queres que ele ganhe? Vá, pá diz lá um preço. Quanto achas que ele pode ganhar como técnico médio nesse bom emprego de que falas? Quanto? Bernardo Domingos não queria responder, também não fazia idéia de quanto poderia ser o tal bom ordenado. O comerciante avançou uma cifra, três vezes maior que a proposta de sô Mateus. - Diz, Bernardo, isso e um bom ordenado? - Assim estava bem. Ele estudou o instituto, devia ganhar isso. Mas o Mateus quer lhe pagar uma miséria. - Com esse salário as contas da casa ficam a vontade? - insistiu sô Germano. - Bom, eu ganho a suficiente para a casa. Mas o salário dele sempre ajudava, já tem idade para trazer dinheiro para cá. Enquanto não arranja mulher.


Nenhuma informação foi cadastrada até o momento.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Pepetela era um dos convidados da Flip 2008. Ele havia ganho o Prêmio Camões de Literatura e ganhou também o prêmio internacional da Companhia Telefônica. Seu livro não podia faltar, por isso o trouxe da Flip.


 

Receber nossos informativos

Siga-nos:

Baixe nosso aplicativo

Livronautas
Copyright © 2011-2021
Todos os direitos reservados.