carregando

Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns segundos...

 

Cat Person e Outros Contos

Para usar as funcionalidades você precisa estar logado(a). Clique aqui para logar
Erro ao processar sua requisição, tente novamente em alguns minutos.
Cat Person e Outros Contos

Livro Bom - 1 comentário

  • Leram
    1
  • Vão ler
    0
  • Abandonaram
    0
  • Recomendam
    0

Autor: Kristen Roupenian  

Editora: Companhia das Letras

Assunto: Contos

Traduzido por: Ana Guadalupe

Páginas: 255

Ano de edição: 2019

Peso: 350 g

Avalie e comente
  • lido
  • lendo
  • re-lendo
  • recomendar

 

Bom
Marcio Mafra
18/08/2020 às 08:12
Brasília - DF

Cada um dos doze contos é uma surpresa. Sem duvida o melhor é ‘Cat Person’, que narra o envolvimento de Margot, de 20 anos, com Robert, de 34, e mostra como a troca de mensagens via celular cria uma expectativa que o encontro na vida real nem sempre é capaz de realizar.Também destaco o conto “aquela que morde” Livro de conto e de crônica são sempre gostosos de ler e são breves.

Marcio Mafra
18/08/2020 às 08:12
Brasília - DF
São 12 contos muito humanos, muito modernos, muito tocantes: Seu Safadinho, (2) Look at Your Game , Girl (3) Sardinha, (4) Os corredores Noturnos (5) O Espelho, o balde e o velho fêmur, (6) Cat Person, (7) O Cara Legal, (8) O Garoto na piscina (9) Não se machuque (10) o Sinal da Caixa de Fósforos (11) Vontade de Morrer, (12) aquela que morde.
Marcio Mafra
18/08/2020 às 08:12
Brasília - DF
As meninas da turma 6 eram terríveis e todo mundo sabia. Todos os professores da Escola Primária para Meninas de Butula tinham uma história que envolvia a turma 6 - a vez que as me- ninas deixaram uma instrutora trancada no banheiro masculino a noite inteira; a vez que lideraram uma greve sitiada depois que a escola serviu gítheri por dez dias seguidos; o incidente com o bode no almoxarifado. Depois que souberam que Aaron, o vo- luntário do Corpo da Paz americano, havia sido designado para a turma 6, todos os professores lhe lançavam um olhar solidário quando cruzavam com ele no corredor, e uma das professoras mais jovens sentiu tanta pena que, enquanto comentava a situa- ção com os colegas no refeitório, começou a chorar. Mas quando Aaron falou com a professora e implorou por dicas de como lidar com as garotas, ela só conseguiu dizer, com Um suspiro fatalista: "Não dá pra lidar com aquelas lá. Elas têm o diabo no corpo, e não há nada que você possa fazer a não ser. .. ", ela bateu com a mão no ar para mostrar. Plaft· Todos os membros da equipe tinham cumprido pena na turma 6. No entanto, dentre todos os professores maltratados, ~ / Aaron tinha medo de arrastar as meninas para fora e dar-Ihes ma chibatada nas panturrilhas. Por causa disso, ele não conse- uia nem se virar de costas para escrever no quadro-negro ("0/ s vírus do HIV é transmitido/são transmitidos das seguintes for- mas ... ") sem que o infinito deboche borbulhante das meninas fervesse e virasse o caos completo. As meninas imitavam sua voz quando ele falava, olhando para ele e dando gritinhos num tom agudo e anasalado. Jogavam coisas nele: não só giz, mas também pedaços de papel encharca- dos de cuspe, grãos de milho, grampos de cabelo e bolas cascudas e esverdeadas de catarro. Certa vez, quando ele havia acabado de devolver uma folha de exercícios, Roda Kudondo foi saltitan- do até a mesa e enfiou o caderno na cara dele, resmungando de um jeito enrolado que supostamente seria a imitação do sotaque texano arrastado do professor. A sala caiu na gargalhada e Aa- ron, sem entender nada, mandou ela se sentar. Mas ela apenas repetiu o que tinha dito e enfiou o dedo indicador bem fundo na boca, cutucando a bochecha por dentro até o rosto inflar. Ela estava dando em cima dele, e essa piada - se oferecer para ir com ele atrás da escola e chupá-Io em troca de uma nota mais alta - o deixou corado e horrorizado, mas ela voltou para sua carteira numa boa, em meio a gritos de apoio da turma. Depois, numa tarde úmida de dezembro, Linnet Oduori seguiu Aaron dos portões da escola até a casa dele, miando feito um gato o caminho inteiro. Linnet era a menor menina da tur- ma 6, e era tão linda e delicada quanto o pássaro que havia inspi- rado seu nome. * Até esse momento, Aaron a transformara numa espécie de mascote, elogiando-a sempre que podia e fazendo de seu trabalho medíocre um exemplo para as outras - um favori- tismo preguiçoso e descabido do qual, naquela tarde, ela extraiu uma estranha mas efetiva vingança.

Nenhuma informação foi cadastrada até o momento.

Marcio Mafra
18/08/2020 às 08:12
Brasília - DF
Nada a historiar nesta caso

 

Receber nossos informativos

Siga-nos:

Baixe nosso aplicativo

Livronautas
Copyright © 2011-2020
Todos os direitos reservados.