carregando

Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns segundos...

 

De Volta Abecedário Biopolítico

Para usar as funcionalidades você precisa estar logado(a). Clique aqui para logar
Erro ao processar sua requisição, tente novamente em alguns minutos.
De Volta Abecedário Biopolítico

Livro Bom - 1 comentário

  • Leram
    0
  • Vão ler
    0
  • Abandonaram
    1
  • Recomendam
    0

Autor: Antonio Negri  

Editora: Editora Record

Assunto: Ciencia Politica

Traduzido por: Clóvis Marques

Páginas: 221

Ano de edição: 2006

Avalie e comente
  • lido
  • lendo
  • re-lendo
  • recomendar

 


Bom
Juliana Braga Guimarães
25/08/2020 às 16:18
Rio de Janeiro - RJ
Não cheguei a ler o livro, então não posso opinar, mas o autor é reconhecido internacionalmente.


Juliana Braga Guimarães
25/08/2020 às 14:26
Rio de Janeiro - RJ
Em 'De volta', Antonio Negri fala de sua volta à Itália, em 1997, depois de 14 anos de exílio na França. Ao mesmo tempo, em vários momentos deste 'abecedário' biográfico, Negri tece elogios teóricos e políticos à 'ausência' de memória. O autor sublinha que a opressão se funda sobre a tradição. Mesmo implicando o regresso à prisão, da qual só se livraria sete anos mais tarde, Negri vê sua volta como uma ação, uma saída da solidão do exílio. A 'volta' do filósofo é na realidade uma fuga do militante, fora do vazio do exílio, do mesmo jeito que a escolha do exílio havia sido uma fuga da derrota da prisão. É uma volta aos princípios de um pensamento que se funda na Erlebnis - na experiência vivida, na ação como único critério de verdade. E isso exatamente na medida em que a ação está dentro do processo produtivo das lutas - o problema não é participar, mas construir. As entrevistas, feitas por Anne Dufourmantelle, são densas de referências autobiográficas e relembram desde o assassinato do pai pelos fascistas até a dor de não ter tido o direito de acompanhar o enterro da mãe morta durante o primeiro período de detenção, entre 1979 e 1982. Em 'De volta', Negri reafirma que o intelectual não pode mais ser separado da vida, das paixões, o cérebro e as mãos se recompuseram - é o corpo que constrói o ser, diria Spinoza. A narrativa autobiográfica desenrola-se assim como vivência de lutas, entre a prisão, o exílio e o debate filosófico. É nesses termos que Negri discorre sobre Bergson, Gentile e Husserl enquanto sínteses das tradições - francesa, italiana e alemã - da filosofia burguesa do século XIX. Aborda depois Heidegger, Wittgenstein, Nietzsche, bem como três gigantes da filosofia francesa contemporânea, Derrida, Foucault e Deleuze.

Juliana Braga Guimarães
25/08/2020 às 14:26
Rio de Janeiro - RJ
Indisponível.

Nenhuma informação foi cadastrada até o momento.


Juliana Braga Guimarães
25/08/2020 às 14:26
Rio de Janeiro - RJ
Comprei em uma feira de livros.

 

Receber nossos informativos

Siga-nos:

Baixe nosso aplicativo

Livronautas
Copyright © 2011-2021
Todos os direitos reservados.