carregando

Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns segundos...

 

Sanatório

Para usar as funcionalidades você precisa estar logado(a). Clique aqui para logar
Erro ao processar sua requisição, tente novamente em alguns minutos.
Sanatório

Livro Bom - 1 comentário

  • Leram
    1
  • Vão ler
    1
  • Abandonaram
    0
  • Recomendam
    0

Autor: Bruno Schulz  

Editora: Imago

Assunto: Romance

Traduzido por: Henry Siewieski

Páginas: 231

Ano de edição: 1995

Peso: 280 g

Avalie e comente
  • lido
  • lendo
  • re-lendo
  • recomendar

 


Bom
Rafael Mafra
28/09/2005 às 12:00
Brasília - DF

Sanatório, cujo livro do Bruno Schulz virou filme, coisa que amplia muito a sua divulgação, é uma narrativa onde os personagens buscam remontar a história e a vida de uma família de cidade do interior da polônia, baseando-se em coisas, comportamentos e mitos, e não em documentação escrita. Schulz é um escritor que morreu pela mão dos alemães, porque ele era um escritor judeu. O seu estilo guarda muita semelhança com Kafka, outro judeu, premiadíssimo escritor, perseguido pelos nazistas. Ambos adotaram a linha do existencialismo e do surrealismo. Enquanto no "Processo" de Kafka o filho do personagem se transforma numa barata, no Sanatório, Schulz também usa de surrealismo bem semelhante, quando o próprio personagem, narrando na primeira pessoa, se transforma, numa barata. A leitura é surreal, embora a tradução não seja um primor, o livro é bom, mas que parece um Kafka requentado, parece.


Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Uma história montada sobre a tentativa de recuperar a vida de uma família, numa pequena cidade da polônia, não através de documentos, mas pela busca do misticismo e suas significações.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Hoje de novo afundei-me no álbum de selos de Rodolfo. Que estudo maravilhoso! E um texto cheio de notas remissivas, alusões, menções, e repleto de cintilações ambíguas Mas todas as linhas convergem para Bianca. Que suposições felizes! A minha suspeita corre de um a outro nó, como ao longo de um pavio aceso pela esperança luminosa, cada vez mais deslumbrada. Ah, como e difícil, como fica apertado meu coração pelos mistérios que pressinto.


Nenhuma informação foi cadastrada até o momento.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Não há.


 

Receber nossos informativos

Siga-nos:

Baixe nosso aplicativo

Livronautas
Copyright © 2011-2021
Todos os direitos reservados.