carregando

Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns segundos...

 

O Avesso da Pele

Para usar as funcionalidades você precisa estar logado(a). Clique aqui para logar
Erro ao processar sua requisição, tente novamente em alguns minutos.
O Avesso da Pele

Livro Excelente - 2 comentários

  • Leram
    1
  • Vão ler
    0
  • Abandonaram
    0
  • Recomendam
    0

Autor: Jeferson Tenório  

Editora: Companhia das Letras

Assunto: Romance

Traduzido por: Livro Editado em Português do Brasil

Páginas: 189

Ano de edição: 2020

Peso: 280 g

Avalie e comente
  • lido
  • lendo
  • re-lendo
  • recomendar

 


Excelente
Ezequiel Gama Oliveira
02/07/2021 às 22:18
Brasília - DF
Bom dia Marcio!

Primeiramente quero te agradecer por ter me emprestado esse livro, me fez abrir bastante a mente.

O Avesso da pele simplesmente fantástico! Nunca imaginei que um livro iria consegui me fazer emocionar como me emocionei. A historia trouxe-me a memoria vários episódios que acontecera comigo, com meu pai, com minha mãe, com amigos. Com toda certeza o racismo é algo que ainda está impregnado em nossa sociedade, infelizmente são cenas que vão nos deixando tristes e indignados ao mesmo tempo, mas a vida segue, não da pra parar viver por ignorância de outras pessoas.

Percebi que o livro faz muitas referências e homenagens e abordam vários temas além do racismo estrutural e do preconceito cotidiano, a desvalorização da mulher negra, a realidade em consolidar uma família, o quadro do ensino educacional do nosso país e a realidade do professor.

Aprendi muito com esse pequeno livro de uma tamanha historia de luta, fraturas existenciais da condição de ser preto em um país racista, um processo de dor, de acerto de contas, mas também de redenção, superação e liberdade. É preciso refletir constantemente sobre o respeito e a valorização dos sentimentos, memórias e afetos de cada um, e exercer o antirracismo a todo momento.


Excelente
Marcio Mafra
02/07/2021 às 22:07
Brasília - DF

O romance do escritor negro, nascido carioca e cidadão gaúcho, Jeferson Tenório, narra a história de Pedro que teve seu pai assassinado numa abordagem policial.
Então ele se locomove pelos mesmos caminhos trilhados por seu pai e perpassa – com cores fortes - a desgraça desse país, cruelmente racista, injusto, pobre e extremamente desigual econômica e socialmente. Jeferson mostra que o avesso da pele de homens negros é igual à de qualquer outra gente em quatro bem estruturados capítulos
(1) A Pele,
(2) O Avesso
(3) De volta a São Petersburgo, e
(4) A Barca.
Livro excelente. Um dos meus preferidos.
Embora sabendo que este comentário ficará meio longo, destaco esse trecho do "O Avesso da Pele"

"Você sempre dizia que os negros tinham de lutar, pois o mundo branco havia nos tirado quase tudo e que pensar era o que nos restava.
Necessário preservar o avesso, você me disse.
Preservar aquilo que ninguém vê.
Porque não demora muito e a cor da pele atravessa nosso corpo e determina nosso modo de estar rio mundo.
E por mais que sua vida seja medida pela cor, por mais que suas atitudes e modos de viver estejam sob esse domínio, você, de alguma forma, tem de preservar algo que não se encaixa nisso, entende?
Pois entre músculos, órgãos e veias existe um lugar só seu, isolado e único.
E é nesse lugar que estão os afetos.
E são esses afetos que nos mantêm vivos.
Lembro que você fazia um grande esforço para ser entendido por mim.
Eu era pequeno e talvez não tenha compreendido bem o que você queria dizer, mas, a julgar pela água nos seus olhos, me pareceu importante."


Marcio Mafra
02/07/2021 às 22:07
Brasília - DF
A história de Pedro que percorre a trajetória de seu pai, a vida de um homem negro, inteligente, culto, sensível, inquieto, vítima de diversas abordagens racistas de policiais. Numa dessas abordagens seu pai perdeu a vida. Um relato de dor, de acerto de contas, mas também de superação e liberdade.
Marcio Mafra
02/07/2021 às 22:07
Brasília - DF
Certa vez, quando eu tinha nove anos, você me perguntou quem era Deus. Lembro que estávamos caminhando pela rua, procurando uma sombra para descansar. Estava quente, um calor que não era insuportável mas que nos incomodava. Entāo quando encontramos um banco embaixo de uma árvore, você olhou para algumas pombas que ciscavam por ali, naquela praça malcuidada, e me perguntou: - Pedro, você sabe quem é Deus? E eu não fazia a mínima ideia do que tinha te feito perguntar uma coisa daquelas para um menino de nove anos. Lembro que recém havia terminado de ler um livro sobre vampiros, lendas e histórias de terror. Então, quando você me perguntou quem era Deus, pensei em dizer: não sei. Acontece que você detestava que eu dissesse não sei, você dizia: filho, nunca podemos saber de tudo, mas, olhe, não responda não sei. Diga então que precisa pensar, que precisa de tempo. No entanto, naquele dia, eu não queria pensar. Estava quente e eu só tinha nove anos. Mas eu lembrei do meu livro sobre lendas de terror e respondi que achava era um fantasma e morava no céu. E, quando eu disse isso, você me olhou com certo espanto, e vi seu rosto se iluminar com alegria. Como se eu tivesse dito a coisa mais importante do mundo. Talvez hoje eu compreenda por que você ficou comovido com aquela resposta. Conforme fui crescendo, suas perguntas foram ficando mais complexas. E confesso que às vezes eu não queria ser profundo. Eu queria apenas brincar e ser como os outros filhos eram com seus pais. No entanto, agora eu sei que você estava me preparando. Você sempre dizia que os negros tinham de lutar, pois o mundo branco havia nos tirado quase tudo e que pensar era o que nos restava. Necessário preservar o avesso, você me disse. Preservar aquilo que ninguém vê. Porque não demora muito e a cor da pele atravessa nosso corpo e determina nosso modo de estar rio mundo. E por mais que sua vida seja medida pela cor, por mais que suas atitudes e modos de viver estejam sob esse domínio, você, de alguma forma, tem de preservar algo que não se encaixa nisso, entende? Pois entre músculos, órgãos e veias existe um lugar só seu, isolado e único. E é nesse lugar que estão os afetos. E são esses afetos que nos mantêm vivos. Lembro que você fazia um grande esforço para ser entendido por mim. Eu era pequeno e talvez não tenha compreendido bem o que você queria dizer, mas, a julgar pela água nos seus olhos, me pareceu importante.

Nenhuma informação foi cadastrada até o momento.

Marcio Mafra
02/07/2021 às 22:07
Brasília - DF
Era novembro de 2020. Jornais da época noticiavam o lançamento de “O Avesso da Pele” do professor de literatura e escritor Jeferson Tenório. Ele tinha passado pelo badalado programa da Tv Globo “Conversa com Bial” além de ter sido convidado da FLIP 2020. A FLIP Festa Literária Internacional de Parati daquele ano foi realizada virtualmente, devido a pandemia do novo Coronavirus. Não titubeei. Comprei o livro na Amazon.

 

Receber nossos informativos

Siga-nos:

Baixe nosso aplicativo

Livronautas
Copyright © 2011-2021
Todos os direitos reservados.