carregando

Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns segundos...

 

A Guerra do Lobo

Para usar as funcionalidades você precisa estar logado(a). Clique aqui para logar
Erro ao processar sua requisição, tente novamente em alguns minutos.
A Guerra do Lobo

Livro Bom - 1 comentário

  • Leram
    1
  • Vão ler
    0
  • Abandonaram
    0
  • Recomendam
    0

Autor: Bernard Cornwell  

Editora: Record

Assunto: Romance

Traduzido por: Ivanir Alves Calado ou Alves Calado

Páginas: 377

Ano de edição: 2019

Peso: 750 g

Avalie e comente
  • lido
  • lendo
  • re-lendo
  • recomendar

 

Bom
Marcio Mafra
25/07/2021 às 18:15
Brasília - DF
Saxão criado por dinamarqueses, viking de coração, senhor de Bebbanburg, Uhtred é uma espécie de líder, numa época em que espada, sangue e honra presidiam qualquer disputa, desejo ou objetivo.
Estes os principais personagens de "A Guerra do Lobo".
Só o talento e a genialidade de Bernard Cornwell poderia criar uma história, passada em tempos remotos, com tantos detalhes, tanta nitidez, humor, raiva, traição, lutas sanguinárias e um certo toque de amor.
As batalhas – algumas verdadeiras guerras – nas disputas de terra entre saxões e nórdicos eram violentas e sangrentas, mas alimentavam bem o sonho do Rei Alfredo e de seu filho Eduardo, provável sucessor. Suas vidas e objetivos, assim como as batalhas buscavam sempre a união dos reinos de Wessex, Ânglia Oriental, Mércia e Nortúmbria.
Muita pancadaria, traições, reviravoltas, cenas brutalidade medieval, alguma restrição à igreja da época, são as cenas do livro, em seu primeiro volume.
Sei que existem mais dez ou onze volumes – todos no mesmo diapasão.
Livro, autor e história boa.

Marcio Mafra
25/07/2021 às 18:15
Brasília - DF
A história de Uhtred que novamente é o senhor de Bebbanburg. Depois de muitos anos de guerra ele consegue recuperar a fortaleza ancestral que tinha perdido. Mesmo assim sua vida não é nada fácil nem feliz devido as inacabáveis cobranças antigas de seus laços tanto familiares como políticos.
Marcio Mafra
25/07/2021 às 18:15
Brasília - DF
Caminhávamos para a arena iluminada pelas fogueiras com a neve girando à nossa volta. - Você sabe que antes de Sunngifu se casar com o bispo ela era... — comecei. - Basta! — interrompeu AEthelstan. Ele havia parado de novo e agora me olhava com ferocidade. ­ Se vai me dizer que a irmã Sunngifu era uma meretriz antes de se casar, eu sei! O que o senhor não entende é que ela viu o pecado da sua vida e se arrependeu! Ela é uma prova viva da redenção. Uma testemunha do perdão que apenas Jesus pode oferecer! Está me dizendo que isso é mentira? Hesitei, depois decidi que era melhor deixar que ele acreditasse no que quisesse. - É claro que não, senhor príncipe. -Eu sofri durante toda a vida com fofocas maliciosas - disse ele com raiva, gesticulando para que eu continuasse andando. - E odeio isso. Eu conheço mulheres criadas na fé, mulheres devotas, mulheres cheias de boas obras, que são menos santas que Sunngifu! Ela é uma boa mulher, uma inspiração para todos nós! E merece uma recompensa celestial pelo que realizou aqui. Ela cuida dos feridos e conforta os aflitos. Quase perguntei como ela administrava esse conforto, mas consegui conter minha língua. Não há como discutir com a devoção de AEthelstan, e o vi ficar cada vez mais devoto no correr dos anos. Eu tinha feito o máximo para convencê-lo de que os deuses antigos eram melhores, mas não consegui, e agora ele estava ficando cada vez mais parecido com o avô, o rei Alfredo. AEthelstan havia herdado a inteligência de Alfredo e seu amor pela igreja, mas acrescentou a isso a habilidade de um guerreiro. AEthelstan era, para resumir, formidável, e de repente percebi que, se tivesse acabado de encontrá-lo pela primeira vez, em vez de conhecê-lo desde a infância, provavelmente não gostaria dele. E, se esse jovem se tornasse rei, pensei o sonho de Alfredo, de um único reino saxão sob um rei cristão, poderia muito bem se tornar realidade. De fato, isso provavelmente se tornaria realidade, o que significava que esse rapaz, que eu considerava um filho, era o inimigo da Nortúmbria. Meu inimigo. - Por que eu sempre acabo lutando pelo lado errado? - perguntei. AEthelstan deu uma risada, depois me surpreendeu dando um tapinha no meu ombro, talvez arrependido do tom raivoso que usara pouco antes.

Nenhuma informação foi cadastrada até o momento.

Marcio Mafra
25/07/2021 às 18:15
Brasília - DF
Talita e Roberta são duas queridas colegas de trabalho que, em 7/10/2019 - dia de aniversário - me presentearam com “A Guerra do Lobo”.

 

Receber nossos informativos

Siga-nos:

Baixe nosso aplicativo

Livronautas
Copyright © 2011-2021
Todos os direitos reservados.