carregando

Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns segundos...

 

Mentirosos

Para usar as funcionalidades você precisa estar logado(a). Clique aqui para logar
Erro ao processar sua requisição, tente novamente em alguns minutos.
Mentirosos

Livro Ótimo - 1 comentário

  • Leram
    1
  • Vão ler
    0
  • Abandonaram
    0
  • Recomendam
    0

Autor: E. Lockhart  

Editora: Seguinte

Assunto: Romance

Traduzido por: Flávia Souto Maior

Páginas: 271

Ano de edição: 2009

Peso: 380 g

Avalie e comente
  • lido
  • lendo
  • re-lendo
  • recomendar

 

Ótimo
Marcio Mafra
03/01/2022 às 20:21
Brasília - DF
“Mentirosos”, como o editor titulou o livro, foi como uma das velhas tias de sobrenome Sinclair apelidou seus netos. A família é daquele tipo tradicional, cheia de virtudes, bons princípios e não me toques.
Eles possuíam uma mansão na ilha Beechwood, no Estado de Massachusetts. Nesta ilha apenas quatro elegantíssimas e tradicionais famílias tinham mansão. A família Sinclair era dona da Mansão Clairmont. A família Dennis morava na mansão Red Gate. A Mansão Cuddledown era da família Sheffield. A quarta mansão era ocupada pela família Eastman.
Todos os filhos, primos e netos das quatro famílias se conheciam e quando crianças ou jovens se divertiam muito até o fatídico e misterioso “verão dos quinze.”

Foi durante esse verão que Cadence, carinhosamente chamada de Cady sofre um acidente na praia e como consequência perdeu a memória e disso lhe advém sérias consequências físicas, inclusive uma terrível e frequente enxaqueca.
Cady só voltou à Ilha, dois anos depois do acidente, ocasião em que recupera memória e descobre a verdade sobre tudo que aconteceu no verão dos quinze.
O final é intrigante e inesperado. Livro ótimo.

Marcio Mafra
03/01/2022 às 20:19
Brasília - DF
A história da família Sinclair. Ricos tradicionais cuja fortuna foi se perdendo ao longo do tempo. Perderam quase tudo, mas não perderam a pose, embora estejam decadentes.
Marcio Mafra
03/01/2022 às 20:19
Brasília - DF
- Você estava na quadra de tênis? — Minha mãe me pergunta. - Ouvi o barulho das bolas. - Só passando o tempo. - Você não joga há tanto tempo". Isso é maravilhoso. - Meu saque está ruim. - Estou tão feliz por você estar retomando as atividades. Se quiser jogar comigo amanhã, é só dizer. Ela está se iludindo. Não estou retomando o tênis só porque joguei uma única tarde e de jeito nenhum vou querer jogar com ela. Minha mãe ia usar uma saia de tênis e me elogiar e me pedir para tomar cuidado e ficar no meu pé até eu ser grossa com ela. -Vamos ver - digo. -Acho que distendi o ombro. O jantar é servido ao ar livre, no jardim japonês. Observamos o pôr do sol às oito, em grupos ao redor de pequenas mesas. Taft e Will pegam costeletas de porco da bandeja e comem com as mãos. -Vocês são animais — diz Liberty franzindo o nariz. - E com isso você quer dizer que. . .? — pergunta Taft. - Existe uma coisa chamada garfo — diz Liberty. - E existe uma coisa chamada sua cara — diz Taft. Johnny, Gat e Mirren podem comer em Cuddledown porque não estão doentes. E suas mães não são controladoras. Minha mãe nem me deixa sentar com os adultos. Ela me obriga a sentar em uma mesa separada com meus primos. Estão todos rindo e discutindo uns com os outros, falando de boca cheia. Paro de escutar o que estão dizendo. Em vez disso, olho para minha mãe, Carrie e Bess amontoadas ao redor do meu avô.

Nenhuma informação foi cadastrada até o momento.

Marcio Mafra
03/01/2022 às 20:19
Brasília - DF
Desapareceu – misteriosamente – da minha memória quando, como, desde quando e porque este livro se encontrava na minha pilha de “para ler”.

 

Receber nossos informativos

Siga-nos:

Baixe nosso aplicativo

Livronautas
Copyright © 2011-2022
Todos os direitos reservados.