carregando

Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns segundos...

 

Contos de Verão

Para usar as funcionalidades você precisa estar logado(a). Clique aqui para logar
Erro ao processar sua requisição, tente novamente em alguns minutos.
Contos de Verão

Livro Bom - 1 comentário

  • Leram
    1
  • Vão ler
    1
  • Abandonaram
    0
  • Recomendam
    0

Autor: Emivaldo José de Souza  

Editora: Não Consta Editora

Assunto: Educação

Traduzido por: Livro Editado em Português do Brasil

Páginas: 135

Ano de edição: 2004

Peso: 425 g

Avalie e comente
  • lido
  • lendo
  • re-lendo
  • recomendar

 

Bom
Marcio Mafra
11/08/2005 às 20:44
Brasília - DF

Contos de Verão, com o subtítulo, "memórias de quem não se lembra bem do que aconteceu", conta as histórias ocorridas durante quatro meses das férias de seis amigos, que formavam o clube dos cinco. A diferença numérica entre os seis amigos e o clube dos cinco, fica-se sabendo durante a leitura. Interessante é que o autor informa que nem tudo o que está escrito é verdade. Trata-se da versão dele sobre os fatos. Diz ainda, que todas as biografias são exageradas, distorcidas e tendenciosas. E ainda que uma ou outra coisa foi inventada por ele. A narração se desenvolve certinha, arrumadinha e asséptica quase até o final do livro. A leitura não empolga, e vai sem "pega" desde o início. No capítulo "o tempo não para" começam algumas citações mais marcantes, como "Marilyn Monroe, Elvis, Janis Joplin e Jimmy Hendrix morreram famosos, jovens, mártires. Morreram cometas, ainda luminosos e fulgurantes...." No capitulo "O livro" aparece com muita graça a história do "coisa ruim". Depois disso, a narração fica um pouco mais dinâmica, mais humana e mais autêntica. Contos de Verão, como peça gráfica é muito bom e bonito. Como livro de memória, como romance ou como lição de vida, nem tanto. Também é fraco se entendido como campanha de apoio ou esclarecimento "pró saúde". Trata-se de uma peça mediana, tanto como livro, como literatura ou mesmo como memória.


Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

As aventuras e desventuras do Clube dos Cinco. A narração dos namoros, desejos, cantadas, inseguranças, medos, início da vida sexual, drogas e riscos de um grupo de garotos, todos moradores de Brasília, que passavam férias no Espírito Santo.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Cantadas 1. -Oi. - Oi - respondeu a menina, meio desinteressada. Ela tinha os cabelos ruivos, curtinhos e olhos cor de mel. Era alta e provavelmente mais velha, uns dezenove anos. Usava um vestido leve, azul-escuro, que deixava revelar pernas longas de bailarina, longilíneas e firmes. Os olhos eram vivos e inteligentes. Uma conquista impossível, mas o bar não estava muito lotado e, do lado de fora, a música não era muito alta. Dava para tentar conversar. E quem não arrisca... - Desculpe incomodar, mas isso não é uma cantada. Eu só gostaria de te perguntar uma coisa... Ela baixou um pouco a defesa, mas só um pouco. - Eu já falei com você esta noite? - Não... - Sei que é uma pergunta engraçada, mas é que tenho um sério problema de memória para fatos recentes. Basta passar alguns segundos que não me lembro mais do que aconteceu. É chato, mas a gente tem que aprender a conviver com isso... - Não, você não falou comigo. - Então posso saber qual o seu nome? Ela já tinha entendido. - Você disse que não era uma cantada. - Disse? Não lembro. Não sei se cheguei a comentar, mas tenho um problema de memória para fatos recentes... - Tá, tá... Olha, desculpe. Mas eu realmente não estou interessada. - Oh! Claro, tudo bem - e foi embora. Cinco minutos depois: -Oi. - Você de novo? - De novo? Ah! Desculpe. É que não sei se cheguei a comentar, mas tenho um... - Problema com fatos recentes. Sei. - Nossa! Quantas vezes já falei com você hoje? - Só uma, mas já deu para decorar o texto. Olha... - Nem precisa dizer nada. Já estou indo embora. Desculpa, viu? - e saiu, rapidamente. A menina ficou um pouco surpreendida, pois achou que ele havia desistido rápido demais. Por um breve momento chegou a achar que o rapaz tivesse realmente um problema de memória. Passou a observá-lo. Estava em uma mesa, com outros cinco amigos e pareciam conversar animadamente. Ninguém da mesa olhava para ela. Até o momento em que o rapaz levantou de novo e foi andando em sua direção. Dessa vez ela fixou o olhar nele. - Oi - ele falou, com um sorriso cativante. Ela também sorriu. - Olha... Adorei a cantada, foi muito legal, mas realmente não estou no clima, OK? - Eu já falei com você essa noite, não é? - ele parecia desconcertado, mas não tirava os olhos dos olhos dela. - É que minha memória é péssima para fatos recentes... Ela riu novamente. Um sorriso um pouco mais aberto. Mas ainda mantinha uma postura defensiva. Ele falou novamente: - Posso te perguntar uma coisa? - Você vai perguntar se já falou comigo hoje? - Não. Quero perguntar se você me viu falar com alguma outra menina aqui no bar hoje. Se você me viu usar essa cantada, como você a chama, em alguma outra pessoa. - Não, não vi. - Então você não pode chamar de cantada. Cantada é uma frase feita. Tudo que falei hoje, falei só para você, pensando apenas em você. E sabe por quê? Ela virou o corpo, retribuindo o olhar dele, mas ainda guardando distância. - Não, não sei. - Porque eu acho que você pode me curar do meu problema de memória. - Como? - Se você me der um beijo, vou lembrar desse momento pro resto da vida. Ela não resistiu. Esse era o Zito. Imprevisível e às vezes até meio bobo. Mas sempre muito decidido, seguro, com uma resposta na ponta da língua. Era, por natureza, um observador. E, normalmente, achava o ponto fraco das meninas e, como pensava muito rápido, acabava saindo-se bem, mesmo quando levava um fora...."


Nenhuma informação foi cadastrada até o momento.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Meu amigo Bira, anualmente, convida para participar de um evento chamado prêmio "Excelência Gráfica" que é atribuído aos profissionais do ramo. Durante um jantar, são expostos os melhores trabalhos feitos no ano anterior, ao qual comparecem autoridades, empresários, imprensa e profissionais ligados ao negócio. Na ocasião, anoto os títulos de livros que mais me chamaram atenção e informo ao Bira as anotações. Dias depois ele me presenteia com os títulos que eu mais gostei. Não sei o que seria melhor: mais eventos deste tipo, ou mais amigos do tipo Bira.


 

Receber nossos informativos

Siga-nos:

Baixe nosso aplicativo

Livronautas
Copyright © 2011-2020
Todos os direitos reservados.