carregando

Aguarde por gentileza.
Isso pode levar alguns segundos...

 

Voláteis

Para usar as funcionalidades você precisa estar logado(a). Clique aqui para logar
Erro ao processar sua requisição, tente novamente em alguns minutos.
Voláteis

Livro Bom - 1 comentário

  • Leram
    1
  • Vão ler
    0
  • Abandonaram
    0
  • Recomendam
    0

Autor: Paulo Scott  

Editora: Objetiva

Assunto: Romance

Traduzido por: Livro Editado em Português do Brasil

Páginas: 201

Ano de edição: 2005

Peso: 355 g

Avalie e comente
  • lido
  • lendo
  • re-lendo
  • recomendar

 

Bom
Marcio Mafra
26/12/2005 às 12:05
Brasília - DF

Com a publicação do “Voláteis”, o editor desejava fazer livro de autor, que fosse de fora do eixo cultural Rio/São Paulo. Por isso atribuiu o nome "fora dos eixos" à coleção que se inicia com este "Voláteis". Nela procura-se encontrar a qualidade literária de autores que lutam contra o banal e se caracterizam pela originalidade, o vigor e a transgressão narrativa. Voláteis é um livro fora dos eixos, mas a história do alcoólatra Fausto, do assaltante Machadinho, da prostitutinha Sabrina e da maluca Lara é uma história - que na sua essência - é comum. Os quatro personagens se encontram e se perdem na volatilidade de suas vidas. Não encantam pelo alcoolismo, pela maluquice, nem pela putaria. Voláteis não é um livro muito pedra, nem muito tijolo. Utilizar linguagem literária desleixada, pode ser interessante - sob o ponto de vista da originalidade - porém, não é certificado de livro bom.


Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

A história de vida de quatro personagens: Fausto, Machadinho, Sabrina e Lara. Um alcoólatra, um assaltante, uma prostituta e uma maluca.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Sabrina abre as portas do roupeiro. Na última, encontra uma cadeira infantil, tira-a para fora, deita-se na cama, segurando-a pelos pés. Observa debaixo do assento (eclipsa o miolo de luz no teto). Os primeiros minutos naquela posição são agradáveis, mas a dor na omoplata, a dor que aparecera e sumira várias vezes nesses últimos dias, volta (é como uma tira inflamada, trêmula sob a pele, cavoucando a musculatura estirada desde a sexta-feira), obriga-a a deixar a cadeirinha de lado. Depois, levanta, pega as sacolas que estão ao pé da cama, esvazia-as sobre o lençol, amontoa roupas e acessórios: há coisas do dia-a-dia e outras menos comuns. Separa quatro dessas peças menos comuns, joga as demais contra a cabeceira. Estende a saia evasê (surpreende-se com a tonalidade laranja do tecido feltrado sobre o branco do lençol), faz o mesmo com a calça de lã cordada, com a blusa amarela de algodão crepom e o corpete vermelho de fibra sintética. O que será que passou na cabeça desse louco pra querer comprar essas coisas? Deita ao lado das peças, repara os detalhes, devem ter custado os olhos da cara... Pega o corpete, arremessa na direção da cômoda. Derruba o castiçal de pedra-sabão (o barulho sai alto e seco). Puta que pariu, era só o que me faltava. E, quando está para levantar, escuta as batidas de leve na porta. Não se move. A luz fica acesa, ela finge que está dormindo.


Nenhuma informação foi cadastrada até o momento.

Marcio Mafra
18/01/2013 às 19:17
Brasília - DF

Quando fui a Bienal do Livro, por volta de maio de 2005, comprei este título porque a crítica especializada estava falando sobre ele.


 

Receber nossos informativos

Siga-nos:

Baixe nosso aplicativo

Livronautas
Copyright © 2011-2021
Todos os direitos reservados.